Tamanho do texto

Gentiloni compareceu hoje ao Palácio do Quirinale, após dias intensos de consultas de Mattarella aos partidos políticos para ouvir exigências e possibilidades de formar o novo governo

Chanceler Paolo Gentiloni
Reprodução/Instagram
Chanceler Paolo Gentiloni

O presidente da Itália, Sergio Mattarella , concedeu neste domingo (11) ao ministro das Relações Exteriores Paolo Gentiloni a missão de formar um novo governo, após a renúncia do primeiro-ministro Matteo Renzi, que foi derrotado em um referendo de reforma constitucional.

LEIA MAIS: Presidente da Itália promete "solução para governo" em breve

Paolo Gentiloni compareceu hoje ao Palácio do Quirinale, em Roma, após três dias muito intensos de consultas de Mattarella aos partidos políticos da Itália para ouvir as exigências e as possibilidades de formar um novo governo. Isso porque a oposição exige novas eleições, mas a lei eleitoral do país foi declarada inconstitucional. O presidente tinha prometido ontem apresentar "dentro de algumas horas" uma "solução rápida para a crise política". As informações são da Agência Ansa. 

Matteo Renzi apresentou a renúncia na última quarta-feira (7), após sofrer uma derrota no domingo passado no referendo que havia convocado para alterar a Constituição da Itália.

Quem é Paolo Gentiloni?

Aos 62 anos, Paolo Gentiloni é ministro das Relações Exteriores da Itália desde 31 de dezembro de 2014, escolhido pelo ex-premier Matteo Renzi. Foi deputado e ministro da Comunicação no governo Prodi. Seu nome já vinha ganhando forças nos últimos dias, quando os partidos políticos italianos sinalizaram que aceitariam que o Partido Democrático (PD), de Renzi, continuasse no poder, com a condição de acelerar os projetos de lei que precisam ser aprovados para que seja convocada em breve uma nova eleição.

LEIA MAIS: Atentado contra catedral cristã mata ao menos 25 fiéis no Cairo

"Quero acompanhar e, se possível, facilitar o percurso das forças parlamentares para definir as novas leis eleitorais", disse Paolo Gentiloni, referindo-se a um dos entraves da crise política local, já que a atual lei eleitoral foi declarada inconstitucional e o Parlamento precisa aprovar outra para convocar novas eleições e, assim, eleger o novo governo.

Logo após receber a função de formar o novo governo, Paolo Gentiloni se reuniu com os líderes da Câmara dos Deputados e do Senado. Agora, o ex-chanceler atuará para tentar formar uma coalizão de governo. Caso consiga, vira primeiro-ministro, senão Mattarella designará outro nome. 

LEIA MAIS: Após bombardeios russos, Estado Islâmico é expulso de cidade histórica na Síria

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.