Tamanho do texto

Segundo "Global Times", país asiático deve "construir mais armas nucleares estratégicas e acelerar a instalação dos mísseis balísticos intercontinentais"

Trump atacou frequentemente a China durante a sua campanha presidencial, designando o país como o
Facebook/ Donald Trump/ Reprodução
Trump atacou frequentemente a China durante a sua campanha presidencial, designando o país como o "inimigo"

A China deve aumentar significativamente os seus gastos militares, além de construir mais armas nucleares como uma espécie de "preparação" para o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu nesta quinta-feira (8) o "Global Times", jornal próximo do Partido Comunista Chinês (PCC). 

LEIA MAIS: Donald Trump é eleito a personalidade do ano de 2016 pela revista 'Time'

Em editorial, o "Global Times", jornal em inglês do grupo do Diário do Povo, o órgão central do PCC, defende "um aumento significativo das despesas militares da China, em 2017". Segundo o texto, o país asiático deve "construir mais armas nucleares estratégicas e acelerar a instalação dos mísseis balísticos intercontinentais DF-41" para proteger os seus interesses, caso Trump aja de "forma inaceitável" para com o país.

Trump atacou frequentemente a China durante a sua campanha presidencial, designando o país como o "inimigo" que faz dos EUA "palermas". Mas ele indicou também que não deseja projetar o poder dos EUA além-fronteiras, afirmando que a América está cansada de pagar para defender  aliados como o Japão e a Coreia do Sul. O magnata chegou mesmo a sugerir que esses países construam as suas próprias armas nucleares.

LEIA MAIS: "Namoro" instável de Trump e Putin coloca em risco alianças globais

O editorial do "Global Times" surge na sequência de uma publicação de Trump na rede social Twitter, em que ele critica as políticas externa e comercial da China, e depois da conversa por telefone do presidente eleito com a líder de Taiwan, Tsai Ing-wen.

Pequim considera Taiwan parte do seu território, pelo que o contato de alto nível com Taipé, capital de Taiwan, sugere um apoio às aspirações independentistas do território. No editorial o "Global Times" escreveu: "Precisamos nos preparar melhor militarmente, para garantir que aqueles que advogam a independência de Taiwan sejam castigados, e tomar precauções em caso de provocação dos EUA no Mar do Sul da China".

Equipe Trump

Trump escolheu esta semana o governador de Iowa, Terry Branstad, que tem laços antigos com o Presidente da China, Xi Jinping, para ser o embaixador norte-americano em Pequim. A escolha sugere que o magnata quer manter boas relações com o país, mas o jornal estatal "China Daily" permanece pessimista quanto ao futuro das relações entre as duas maiores potências do planeta.

LEIA MAIS:  "Cancela o pedido": Trump quer interromper projeto de novo avião presidencial

"A China tem de estar preparada para o pior", escreveu em editorial o "China Daily", na edição desta quinta-feira. "O que aconteceu nas últimas semanas sugere que as relações entre a China e os EUA atravessam um período de incerteza nunca visto antes, mostrando que Trump pode não só ladrar como morder também", afirmou o periódico.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.