Tamanho do texto

Ryan tem paralisia cerebral, motivo pelo qual ele pode ter sido abandonado, mas americana decidiu adotá-lo e, hoje, compartilha comovente história

Ryan tinha pêlos em todo o corpo quando foi adotado, uma forma do organismo manter a temperatura corporal
Facebook/ Saving Baby Ryan/ Reprodução
Ryan tinha pêlos em todo o corpo quando foi adotado, uma forma do organismo manter a temperatura corporal

A americana Priscilla Morse foi adotada ainda criança por uma família que já cuidava de um menino com necessidades especiais. Ele morreu aos nove anos, quando a irmã ainda era muito pequena, mas ela nunca se esqueceu de todo o amor que seus pais tinham pelos dois. Tanto que, hoje, é a própria Priscilla que emociona pessoas pelo mundo todo com sua história como mãe.

LEIA MAIS:  Somália, um dos lugares mais perigosos do mundo para dar à luz

Em julho de 2015, ela viu a foto de Ryan na rede social Facebook. Ele morava em um orfanato na Bulgária após ter sido encontrado abandonado da rua e estava subnutrido. Com sete anos, ele pesava apenas 4 kg – quase o mesmo que uma criança ao nascer.

Recuperação do menino é compartilhada pela mãe, Priscilla Morse, em página no Facebook
Facebook/ Saving Baby Ryan/ Reprodução
Recuperação do menino é compartilhada pela mãe, Priscilla Morse, em página no Facebook

Após atravessar o oceano para salvá-lo, hoje, a família consegue ver com alegria a recuperação deste menino que quase morreu. “Ele era, literalmente, só ossos”, escreveu Priscilla no Facebook, onde tem uma página em que mostra a evolução do filho.

LEIA MAIS:  "Não podemos repetir a guerra", diz premiê japonês nos 75 anos de Pearl Harbor

“Homens crescidos, médicos que provavelmente já viram coisas horríveis ao longo dos anos, seguraram a pequena mão de Ryan e choraram. Ninguém podia entender como isso pode acontecer, e, quando eu disse que existem orfanatos cheios de crianças como ele, todos me encararam em choque.”

Superação

Os especialistas que cuidaram do menino acreditam que ele não fosse sobreviver, mas onze meses depois Ryan mostra toda sua força com 10 kg. Ele só deixou de ser alimentado por tubo em março deste ano, mas já consegue emitir alguns sons, sorrir e fazer contato visual. De acordo com os médicos, ele tem paralisia cerebral, provável causa de seu abandono, além de nanismo agudo decorrente da subnutrição.

LEIA MAIS:  Pais usam redes sociais para chamar atenção para as crianças com câncer

Hoje, Ryan tem oito anos e é uma criança feliz que “ama beijos e cócegas”, afirma a mãe. “Ele ainda tem um longo caminho pela frente, mas nós estamos tão animados em ver o que o futuro tem para dar a esse pequeno menino. Ele tem um propósito.”

Priscilla e o marido, David, já tinham outros três filhos quando adotaram Ryan. Dylan, de 13 anos, e Jack, de 7, que são filhos biológicos, e McKenzie, também de 7 e que foi adotada na Russia em 2012.

Família Morse reunida: Dylan, Priscilla e David ao fundo, Jack no colo do irmão, Ryan com a mãe e McKenzie com o pai
Facebook/ Priscilla Morse/ Reprodução
Família Morse reunida: Dylan, Priscilla e David ao fundo, Jack no colo do irmão, Ryan com a mãe e McKenzie com o pai


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.