Tamanho do texto

A cada 100 mil grávidas, 732 morrem por razões ligadas à gestação no país, segundo Unicef; parto é a principal causa de mortes de mulheres na Somália

Uma a cada 12 mulheres morre por razões ligadas à gestação na Somália
BBC
Uma a cada 12 mulheres morre por razões ligadas à gestação na Somália

Estar grávida e dar à luz deveria ser um dos momentos mais felizes na vida de uma mulher, mas, na Somália, pode ser motivo de muita tristeza.

Atualmente, 732 mulheres a cada 100 mil morrem por razões ligadas à gestação, uma das taxas mais altas do mundo, segundo a Unicef. A situação ao menos melhorou um pouco nas últimas décadas: eram 1.210 a cada 100 mil em 1990. Mas o parto é a maior causa da morte de mulheres no país.

"É indescritível a sensação quando temos um bebê e uma mãe saudáveis", diz a médica Nafiso Sheikh, que trabalha do Hospital Banadir, a maior maternidade e unidade infantil da Somália, localizada na capital, Mogadíscio.

LEIA TAMBÉM:  100 Mulheres: As jogadoras que desafiam o machismo no universo dos games

"Vim para cá para tentar reduzir essa taxa de mortalidade. Hoje, a maioria das nossas pacientes vem de áreas rurais e em uma situação bem ruim. Às vezes, uma mãe fica em trabalho de parto por três ou quatro dias, mas o bebê está morto."

Esse cenário crítico se explica em parte pela alta taxa de fecundidade no país, com uma média de 6,6 filhos por mulher.

A médica Nafiso Sheikh quer se especializar em obstetrícia e ginecologia para combater a alta taxa de mortalidade
BBC
A médica Nafiso Sheikh quer se especializar em obstetrícia e ginecologia para combater a alta taxa de mortalidade

Mas, enquanto engravidar e dar à luz são algo frequente entre elas, seu acesso a serviços médicos especializados é bastante limitado, com apenas 44% dos partos na Somália sendo realizados por profissionais capacitados.

Isso também contribui para uma alta taxa de mortalidade infantil (uma em cada sete crianças não chega a completar cinco anos de idade), já que complicações neonatais estão por trás de 17% dos casos.

LEIA TAMBÉM:  Por que os vegetarianos britânicos estão se revoltando contra a nova nota de 5 libras

O país ainda enfrenta uma crise alimentar e enchentes. E muitas pessoas não tem acesso a fontes de água de boa qualidade e ao sistema sanitário.

Em novembro, Amran Mahad, protagonista de uma série dramática de rádio veiculada pela BBC Somália, tornou-se parte dessas estatísticas.

Seu filho nasceu saudável após uma cesariana, mas complicações no parto levaram à morte de Amran dias após a cirurgia.

Para fazer cesariana, médicos precisam de autorização da família da paciente
BBC
Para fazer cesariana, médicos precisam de autorização da família da paciente

"Da à luz não deveria ser uma questão de vida ou morte, mas, tragicamente, é assim para muitas gestantes da Somália", disse Mohamed Ghaas, vice-diretor da BBC Somália, em um texto sobre o falecimento de sua colega de trabalho.

"As principais causas de morte – hemorragia, infecção, abortos inseguros, pressão alta, convulsões e obstrução no trabalho de parto – fazem do país um dos lugares mais perigosos do mundo para dar à luz. A maioria dessas mortes poderia ser evitada se o auxílio médico estivesse disponível."

LEIA TAMBÉM:  Maioria dos alunos brasileiros não entende o que lê nem acerta contas básicas

É uma opinião compartilhada pela médica Nafiso, que faz parte de um grupo de cirurgiãs que batalham para salvar gestantes em Mogadíscio.

Mulheres somali têm 6,6 filhos em média
BBC
Mulheres somali têm 6,6 filhos em média

Ela diz que faltam recursos no hospital onde trabalha e o atraso dos salários dos funcionários, que não são pagos desde abril, mas explica haver ainda outro motivo para tantas mortes de gestantes e seus bebês.

"Quando se decide que a paciente precisa ser operada, é preciso o consentimento do marido, do pai, da mãe e até mesmo do sogro. Se eles não permitem, você não pode operá-la", afirma.

"Falamos para os parentes: 'Olhem para essa mãe. Ela pode morrer se vocês não deixarem fazer a cesariana'. Às vezes, eles consentem. Às vezes, não deixam e a levam para casa."

Agora, a médica quer ir para o exterior para fazer uma pós-graduação e se especializar em ginecologia e obstetrícia. "Quero que toda mãe somali tenha um parto seguro."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.