Tamanho do texto

'Sofrido para sair, difícil de entrar': para o futuro presidente dos Estados Unidos, pessoas de países que sofrem com terrorismo não serão bem-vindas

Trump
Facebook/ Donald J. Trump/ Reprodução
Trump

O presidente eleito norte-americano Donald Trump ameaçou punir empresas que pretendam sair dos Estados Unidos para passar a operar no exterior. Haverá "conseqüências", disse ele, em tom de alerta.

VEJA AINDA:  Entenda como a eleição de Trump afeta a luta contra o racismo

A declaração foi feita, nesta quinta-feira (1ª), durante uma visita que Trump fez a uma empresa produtora de equipamentos de ar condicionado, localizada em Indianápolis, capital do estado de Indiana.

Durante a visita, Trump comemorou a informação passada pela diretoria da empresa que a indústria iria cancelar os planos de transferir a fábrica do território norte-americano para o México.

Empregos devem ser mantidos

Ao fazer a declaração, o presidente eleito cumpriu a promessa que fez, durante a campanha eleitoral, de lutar para manter os empregos nos Estados Unidos e não substituir os postos de trabalhos americanos por outros normalmente em países que oferecem benefícios fiscais e mão de obra barata.

A declaração demonstra também que o novo presidente dos Estados Unidos está disposto a fazer intervenções na economia. Os governos americanos têm por hábito nunca interferir em decisões sobre oportunidades de negócios das empresas.

LEIA TAMBÉM:  Donald Trump rebate crítica e chama papa Francisco de "vergonhoso"

Antes de voltar atrás em seus planos, a empresa de ar condicionado estava disposta a deslocar 800 postos de trabalho para o México.

Construção do muro é reafirmada

Também nesta quinta-feira, Trump voltou a afirmar que construirá um muro na fronteira com o México.

"Teremos um grande muro na fronteira", disse em evento na noite desta quinta, em Ohio (Cincinatti). Ainda na questão dos imigrantes, o magnata voltou a dizer que irá impedir que pessoas de países com problemas com o terrorismo entrem nos Estados Unidos.

"Não sabemos quem são, de onde eles vêm, o que pensam. Nós os deixaremos fora do nosso país. A violenta atrocidade em Ohio demonstra a ameaça à segurança que foi criada por nossos muitos estúpidos programas sobre refugiados políticos", disse Trump sobre o ataque provocado por um somali em uma universidade da cidade que deixou 11 feridos.

O presidente eleito, no entanto, voltou a pedir a união dos norte-americanos, lembrando que o período eleitoral já passou. "Somos um país dividido, mas não permaneceremos divididos por um longo tempo. Reunificarei o país porque, para vencer, precisamos de todos os norte-americanos, sem distinção de raça, idade, renda, geografia. Agora é tempo de unir-se", afirmou ao discursar.

E MAIS:  Após morte de Fidel, Donald Trump ameaça rever acordo diplomático com Cuba

Trump ainda se defendeu das críticas de que está formando um governo de bilionários, nomeando apenas pessoas que possuem um alto poder aquisitivo. "Eles são ricos porque sabem fazer dinheiro", disse.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.