Tamanho do texto

Pontífice comparou acidente com o desastre de Superga, na Itália, em 1949; acidente deixou 71 mortos, incluindo 19 jogadores do único time de Chapecó

Para Francisco
Benhur Arcayan/Malacañang Photo Bureau/Fotos Públicas
Para Francisco

Nesta quarta-feira (30), durante sua audiência geral, na praça São Pedro, o papa Francisco enviou uma mensagem ao povo brasileiro por conta do  desastre aéreo com o avião da Chapecoense.

O acidente, ocorrido nos arredores de Medellín, na Colômbia, onde a equipe catarinense disputaria a final da Copa Sul-Americana, deixou 71 mortos, incluindo 19 jogadores. "Gostaria de lembrar hoje a dor do povo brasileiro pela tragédia com um clube local e rezar pelos jogadores mortos e suas famílias", disse o papa Francisco .

Além disso, o pontífice comparou a tragédia da Chapecoense com o desastre que matou todo o elenco do Torino em 1949, quando um avião com a delegação da equipe italiana se chocou contra a Basílica de Superga, em Turim. Na ocasião, 31 pessoas faleceram.

"Recordemos Superga. São tragédias duras, rezemos por elas", acrescentou o papa. Na última terça-feira (29), Francisco já havia enviado uma mensagem de condolências ao bispo da diocese colombiana de Sonsón Rionegro, Fidel León Cadavid Marín.

VEJA AINDA:  "A Chapecoense tem que continuar", diz, aos prantos, o vice-presidente do clube 

"O Santo Padre, profundamente atingido ao saber da dolorosa notícia do grave acidente aéreo que ocasionou numerosas vítimas, eleva orações para o eterno descanso dos falecidos", diz uma nota da Conferência Episcopal da Colômbia.

Acidente na Colômbia

A delegação da Chapecoense viajava em um avião da empresa Lamia, surgida na Venezuela, mas que agora é baseada na Bolívia. As causas da tragédia estão sendo investigadas, mas suspeita-se de pane seca ou elétrica.

Eram para ser 81 nomes, mas quatro não embarcaram: Luciano Buligon, prefeito da cidade de Chapecó, Gelson Merisio, presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, o jornalista Ivan Carlos Agnoletto, e Plinio Filho, filho do presidente do Conselho Deliberativo da Chapecoense.

De todas as vítimas, seis pessoas conseguiram sobreviver: o goleiro Follmann, o lateral Alan Ruschel, o zagueiro Neto, o jornalista Rafael Henzel, o técnico da aeronave chamado Erwin Tumiri e a comissária de bordo identificada como Jimena Suarez. O goleiro titular Danilo, herói do time na semifinal, foi encontrado com vida, mas morreu no hospital.

E MAIS:  Veja os nomes de quem estava no voo da Chapecoense que matou 71 pessoas

Em sua trajetória rumo à final da Sul-Americana, o "Verdão do Oeste" havia eliminado inclusive o San Lorenzo, time de coração do papa Francisco. A Chapecoense jogaria a final de uma competição internacional pela primeira vez na sua história.

* Com informações da Agência Ansa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.