Tamanho do texto

A reunião com premiê japonês em Nova York foi o primeiro compromisso diplomático do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump

Encontro com primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, foi o primeiro compromisso diplomático de Donald Trump
Prime Minister’s Office of Japan
Encontro com primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, foi o primeiro compromisso diplomático de Donald Trump


No primeiro compromisso diplomático desde que venceu a corrida à Casa Branca, o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, encontrou-se com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, em Nova York, nesta sexta-feira (18).  Após a conversa, o líder japonês afirmou ter "grande confiança" no republicano.

LEIA MAIS:  México adota onze medidas contra políticas de Donald Trump nos EUA

Abe ainda assegurou que tem a convicção que o Japão pode estabelecer uma "relação de confiança" com Trump  assim que ele assumir o poder. O encontro, de cerca de 90 minutos, foi definido como "franco" e "cordial" pelo premiê japonês. 

Durante a campanha eleitoral, o republicano deixou dúvidas sobre sua relação com o Japão, o maior aliado dos EUA na Ásia, dizendo que os japoneses tinham que "pagar mais" para manter os soldados norte-americanos em seu território. Trump também criticou a assinatura de acordos comerciais internacionais de Tóquio.

LEIA MAIS:  Os sete mitos da política que Trump derrubou para chegar à Casa Branca

Durante a corrida eleitoral, o magnata aconselhou o Japão e a Coreia do Sul a se prepararem de possíveis ameaças da China e da Coreia do Norte com "suas próprias bombas nucleares", medida que poderia elevar ainda mais a tensão na região.

Durante a campanha eleitoral, Donald Trump deixou dúvidas sobre sua possível relação com o Japão na presidência
Twitter/Reprodução
Durante a campanha eleitoral, Donald Trump deixou dúvidas sobre sua possível relação com o Japão na presidência


Preocupação

A vitória de Donald Trump sob a democrata, Hillary Clinton, suscitou uma reação imediata de líderes internacionais que haviam criticado o magnata ao longo de sua campanha, buscando a conciliação com o sucessor de Obama. 

Na quinta-feira (17), o Ministério das Relações Exteriores do México anunciou um plano de ação que conta com 11 medidas para evitar abusos contra mexicanos que vivem nos Estados Unidos.

LEIA MAIS:  Lula e Marisa são dispensados de audiências da Lava Jato em Curitiba

O anúncio é uma reação ao discurso de ódio do republicano contra imigrantes, principalmente aos latinos e mexicanos que, durante a campanha; Trump chegou a se referir como "estupradores". 

Apesar de ainda faltarem dois meses para o republicano assumir o comando da Casa Branca, diversos casos de racismo e xenofobia contra cidadãos latinos já foram relatados em diversas cidades norte-americanas.

O impulsionado clima nacionalista é uma das consequências dos discursos fervorosos de Trump que chegou a ser acusado de xenófobo, machista e racista.

*C om informações da Agência Ansa

    Leia tudo sobre: Donald Trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.