Tamanho do texto

O recém eleito presidente norte-americano afirmou que os participantes dos protestos contra ele não devem ter "medo" em relação ao futuro do país

Estudantes secundaristas protestam contra Trump em Portland
Reprodução/Twitter
Estudantes secundaristas protestam contra Trump em Portland

Milhares de estudantes do ensino médio participaram nesta segunda-feira (14), em Los Angeles, no estado da Califórnia; em Seattle, no estado de Washington; e em dezenas de outras cidades dos Estados Unidos de manifestações contra as políticas anunciadas pelo presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, do Partido Republicano.

VEJA TAMBÉM:  Como serão os primeiros dias do governo Trump? Saiba o que esperar

Durante as manifestações, que ocorreram também em Portland, no estado de Oregon; e em Montgomery County, em Maryland; os estudantes exibiam bandeiras americanas e mexicanas e gritavam “ Trump não é meu presidente” e outros refrões contra as propostas do republicano de barrar muçulmanos nos aeroportos, expulsar imigrantes sem documento e construir um muro na fronteira com o México.

Os protestos também criticaram a escolha de Stephen Bannon como o principal estrategista da Casa Branca para a gestão Trump. Durante as manifestações, os estudantes chamavam Bannon de “racista” e defensor da implantação do nacionalismo branco nos Estados Unidos.

E AINDA:  Quinto dia de protestos contra Trump termina com 71 presos nos Estados Unidos

Em Los Angeles, cerca de 4 mil estudantes saíram das aulas de ensino médio em toda a cidade para protestar contra o presidente eleito. Servidores das escolas públicas de Seattle informaram que cerca de 5 mil alunos participaram dos protestos.

"Não tenham medo do futuro"

Donald Trump afirmou que os participantes dos protestos contra ele não devem ter "medo" em relação ao futuro do país. 

Em entrevista à emissora norte-americana CBS, ele disse que eles protestam porque não o conhecem. "Mas eu lhes digo para não terem medo, vamos trazer nosso país de volta", ressaltou o magnata novaiorquino em sua primeira declaração pública sobre a onda de manifestações.

Michael Vadon/Fotos Públicas - 9.5.15
"Se isso ajuda, vou dizer e vou dizer direto para as câmeras: parem com isso", diz Trump a apoiadores racistas

O presidente eleito nos EUA afirmou que se Hilary tivesse vencido, as coisas iam ser diferentes. "Se Hillary tivesse vencido e os meus eleitores fossem protestar, todos diriam 'oh, isso é terrível", acrescentou o republicano, comentando também que existem "dois pesos e duas medidas" quando se trata dele e da sua rival democrata.

LEIA MAIS:  Homem é baleado em nova noite de protestos contra Donald Trump

Durante a entrevista, Trump pediu aos seus eleitores que "parem" com os ataques que estão sendo feitos a negros, gays e latinos desde que ele foi eleito. "Estou muito surpreso em ouvir isso, odeio sentir isso. Se isso ajuda, vou dizer e vou dizer direto para as câmeras: parem com isso".

O futuro presidente norte-americano afirmou, no entanto, que acredita que se trate de "um número pequeno" de eleitores que façam ofensas a minorias. A declaração foi feita pouco tempo depois de Trump reafirmar que realmente construirá um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México e que deportará "imediatamente" entre 2 e 3 milhões de imigrantes clandestinos com antecedentes criminais.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.