Tamanho do texto

Informação divulgada pelo canal acabou alimentando polêmica em torno da eficácia do sistema eleitoral dos Estados Unidos em reta final das eleições

Canal norte-americano acusa o republicano Austyn Crites, 33, de ter votado em nome de sua avó Wilda Austin, 90
The Guardian/ Reprodução
Canal norte-americano acusa o republicano Austyn Crites, 33, de ter votado em nome de sua avó Wilda Austin, 90



Um eleitor do partido republicano que ficou “famoso” após fazer campanha contra o candidato Donald Trump se envolveu em mais um escândalo nesta terça-feira (8), nas retas finais das eleições dos Estados Unidos. O homem de pouco mais de 30 anos foi acusado pelo canal “Fox News” de fraudar o sistema eleitoral e votar em nome de sua avó, que estaria morta.

LEIA MAIS:  Após ameaça, Donald Trump é retirado do palanque durante comício em Reno

Porém, o jornal britânico “The Guardian” afirma ter encontrado a idosa, avó do eleitor Austyn Crites, de 33 anos. De acordo com o jornal, a mulher, Wilda Austin, 90 anos, vive nos subúrbios da cidade de Reno, no estado de Nevada.

“Por favor, corrijam essas informações”, teria pedido Wilda em referência às informações falsas sobre sua suposta morte publicadas pelo canal. 

LEIA MAIS:  Em primeira parcial, Hillary vence Trump em cidades que já concluíram a votação

A avó de Crites se recusou a aparecer em frente às câmeras porque, de acordo com ela, sua família tem sido bombardeada com ameaças desde que o neto invadiu um evento do magnata portando um cartaz com os dizeres: “Republicanos contra Trump”, sendo rechaçado. 

O periódico britânico ainda contratou uma "fiscal licenciada" para analisar os documentos de Wilda, incluindo seu certificado de nascimento e sua assinatura. A especialista assegurou que a mulher é realmente avó do eleitor acusado - e, claro, confirmou que ela está viva, o que derruba a acusação de fraude. 

LEIA MAIS:  As questões-chave para acompanhar a apuração da eleição nos EUA

Polêmica anterior

Austyn Crites, que é eleitor republicano, levantou campanha contra o Trump durante a corrida eleitoral. No evento citado pela avó, o americano portava a tal placa que acabou gerando toda a confusão.

Na ocasião, depois de levar socos e pontapés dos fanáticos que estavam no local, a segurança do evento acionou o serviço secreto, retirando Trump às pressas, depois que uma pessoa da plateia gritou “arma, arma!”.

Resultado favorável

Em uma comitiva de imprensa nesta terça-feira, repórteres voltaram a perguntar a Trump qual seria a sua posição caso perdesse as eleições. 

"Nós veremos o que acontece", respondeu o empresário de maneira evasiva. No último mês, Trump fez várias declarações que, de maneira implícita ou explícita, deram a entender que as eleições só seriam respeitadas se ele fosse o grande vencedor. 

Duas mulheres foram retiradas de um cartório eleitoral em NY no qual Trump votou após fazerem topless
Twitter/Reprodução
Duas mulheres foram retiradas de um cartório eleitoral em NY no qual Trump votou após fazerem topless


Topless 

O candidato enfrentou protesto quando foi votar nas eleições desta terça-feira. Duas mulheres foram retiradas à força do cartório eleitoral, em Nova York, no qual o republicano votou. As jovens estavam com os seios de fora com frases como "O1O FEMEN USA" escritas no corpo e gritavam slogans contra o milionário.

As mulheres foram retiradas do local por seguranças. Trump ainda não comentou o caso. 

* Com informações da agência Ansa

    Leia tudo sobre: Donald Trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.