Tamanho do texto

Santa Helena, cuja 'supererupção' matou 57 pessoas em 1980, preocupa e intriga cientistas, que descobriram que seu magma fica a 50 km de distância

Parte da Cordilheira das Cascatas, no Noroeste dos EUA, vulcão é o mais mortífero da história do país
Twitter/Reprodução
Parte da Cordilheira das Cascatas, no Noroeste dos EUA, vulcão é o mais mortífero da história do país


Há algo estranho dentro do monte Santa Helena. O vulcão, que faz parte da Cordilheira das Cascatas, no Noroeste dos EUA, é o mais mortífero da história do país.

LEIA MAIS: A jornada ameaçada de extinção no 'lugar mais quente do mundo'

Em 18 de maio de 1980, 57 pessoas e milhares de animais morreram na violenta erupção, que de tão forte "demoliu" parte da montanha. As cinzas expelidas pelo vulcão chegaram a 11 Estados.

O Monte Santa Helena é o mais ativo dos vulcões do arco vulcânico das Cascatas, que vai do norte da Califórnia à província canadense Colúmbia Britânica.

Mas cientistas americanos constataram que seu núcleo é relativamente frio e que o vulcão está "roubando" calor de algum lugar.

E a grande questão é saber de onde o Santa Helena obtém o magma quente que expele durante suas erupções, a mais recente delas em julho de 2008.

"Nunca tínhamos visto algo do gênero nos vulcões ativos dessa região", escreveu o geólogo americano Steve Hansen, da Universidade do Novo México, em um estudo divulgado na revista científica Nature Communications.

Além do mistério do interior frio, outra peculiaridade do Santa Helena é sua localização.

O Arco da Cascatas fica em uma região geologicamente ativa, em que a placa tectônica de Juan de Fuca entra por baixo da borda ocidental da placa Norte-americana.

Mas embora as montanhas do arco estejam alinhadas, o Santa Helena fica 50 km a oeste do resto dos vulcões.

Monte Santa Helena entrou em erupção pela última vez em 2008; para cientistas, núcleo do vulcão é
Twitter/Reprodução
Monte Santa Helena entrou em erupção pela última vez em 2008; para cientistas, núcleo do vulcão é "frio"


Rocha fria

Para tentar desvendar o que acontece no vulcão, Hansen e sua equipe instalaram milhares de sensores ao redor da montanha para medir movimentos do terreno.

Os cientistas cavaram 23 buracos no vulcão e os encheram com explosivos, para provocar miniterremotos. Isso permitiu que monitorassem a propagação das ondas sísmicas pela estrutura da montanha e entender o que acontece nas profundezas do Santa Helena.

LEIA MAIS:  Igreja da comunidade negra é queimada e pichada com slogan de Trump nos EUA

Em vez de magma, os geólogos encontraram uma camada rochosa demasiadamente fria para ser a fonte de calor do vulcão.

De onde, então, o Santa Helena obtém seu magma?

Na opinião dos pesquisadores americanos, a fonte mais provável de magma vem de um depósito localizado ao leste do vulcão, em que as temperaturas ultrapassam 800ºC. Mas eles não têm a menor ideia da razão pela qual o líquido viaja 50 km para ser expelido pelo Santa Helena.

Uma tese é que o material é liberado por terremotos profundos na região, mas os cientistas precisam de mais dados para entender melhor o que está acontecendo.

LEIA MAIS:  Nove perguntas para entender as eleições nos EUA

Pelo menos por enquanto, o Santa Helena continua sendo um mistério.

"O Santa Helena é muito incomum", disse Hansen, em entrevista ao site Gizmodo."Ele está nos dizendo algo sobre como se comporta o sistema vulcânico da região, mas ainda não sabemos o que é".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.