undefined
Twitter/Reprodução
Forças armadas iraquianas e curdas estão a 3 ou 4 quilômetros da auto-proclamada capital do Estado Islâmico (EI)


O exército iraquiano, junto aos peshmerga (soldados curdos do Iraque), aproximou-se ainda mais de Mosul nesta quinta-feira (27). Na frente leste, as forças armadas iraquianas e curdas estão a 3 ou 4 quilômetros da auto-proclamada capital do Estado Islâmico (EI) no Iraque e a cerca de 12 quilômetros do seu centro, disseram fontes de Bagdá e de Erbil à agência ANSA.

LEIA MAIS:  Iraque inicia ofensiva militar para retomar Mosul do Estado Islâmico

No entanto, na frente sul, soldados iraquianos e curdos ainda estão confrontando o EI  na cidade de Shura, a cerca de 40 quilômetros de Mosul. De acordo com al-Jaburi, aproximadamente 1,5 mil civis foram deslocados do município antes do início da batalha e transferidos a Qayyara, a 20 quilômetros sul e onde se encontra uma base do exército iraquiano, com alta presença de tropas norte-americanas.

Além disso, em Nínive, comenta-se que o grupo terrorista está preparando uma grande batalha no interior de Mosul deslocando grande parte dos seus homens e de seus armamentos para a parte leste da cidade.

LEIA MAIS:  Iraque estima que 6 mil combatentes do Estado Islâmico estejam em Mosul

Essa posição dos jihadistas, porém, não impede que, tanto na parte ocidental quanto na oriental do município, estejam prontos pequenos depósitos de armas e de combustível, que devem servir para que o grupo resista aos seus inimigos por um tempo indeterminado, mas longo.

undefined
R.Nuri/ ACNUR - 03.10.2016
Iraquianos refugiados fogem de perseguição do EI e tentam chegar até o Erbil , no lado Curdo de Mosul


Nos últimos três dias, 232 civis, entre eles vários ex-membros da polícia e das forças de segurança de Bagdá, foram mortas pela facção terrorista. 

Em compensação, desde o início da ofensiva a Mosul no último dia 17, entre 800 e 900 militantes do EI foram mortos, de acordo com o general norte-americano Joseph Votel para a agência "AFP".

De acordo com o presidente da Comissão de Direitos Humanos do Parlamento iraquiano, Abdulrahim Shamari, citado pela imprensa curda, o massacre aconteceu no vilarejo de Hammam al-Alili, a cerca de 9 quilômetros a sudeste de Mosul. Os civis haviam sido presos e levados à vila, onde foram assassinados.

LEIA MAIS:  EUA e Reino Unido rejeitam "pausa antecipada" de bombardeios na Síria

Segundo Votel, é difícil obter uma maior precisão sobre o assunto já que os jihadistas costumam se mover pela cidade se misturando aos seus habitantes. Acredita-se que, antes da investida contra o grupo terrorista em Mosul começar, estavam na cidade cerca de 5 mil combatentes do grupo terrorista.

Deslocados

Na última quinta-feira (26), o ministério iraquiano de Migração e de Deslocados revelou que mais de 11,7 mil civis foram deslocados desde o início da ofensiva. 

*Com informações da agência Ansa

    Leia tudo sobre: Estado Islâmico

    Veja Também

      Mostrar mais