Tamanho do texto

Anúncio foi feito neste domingo (9) pelo líder da Igreja Católica; Dom Sérgio da Rocha tem 56 anos, é arcebispo de Brasília e presidente da CNBB

Dom Sérgio da Rocha foi ordenado sacerdote da Igreja Católica em 1984 atualmente é presidente da CNBB
Divulgação/CNBB
Dom Sérgio da Rocha foi ordenado sacerdote da Igreja Católica em 1984 atualmente é presidente da CNBB

O papa Francisco anunciou neste domingo (9) que nomeará 17 novos cardeais, sendo que 13 deles terão poder de voto em um próximo consistório. Na lista, há o brasileiro Dom Sérgio da Rocha, 56 anos, arcebispo de Brasília desde 15 de junho de 2011 e presidente da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

LEIA MAISPapa Francisco diz que Brasil atravessa "momento triste"

"Estou feliz de anunciar que no dia 19 de novembro, sábado, na vigília de encerramento do Jubileu, haverá um consistório para a nomeação de 13 novos cardeais eleitores, de 11 nações", afirmou o líder da Igreja Católica . "No dia 20, eles celebrarão a missa comigo".

Dom Sérgio da Rocha estudou Filosofia no Seminário Diocesano de São Carlos, Teologia no Instituto Teológico de Campinas, concluiu mestrado em Teologia Moral na Faculdade Teológica "Nossa Senhora da Assunção", em São Paulo, e doutorado na mesma disciplina junto à Academia Alfonsiana de Roma. Foi ordenado sacerdote em 14 de dezembro de 1984, em Matão. Foi pároco em Água Vermelha, coordenador da pastoral da Juventude de São Carlos, professor do Seminário Diocesano e diretor espiritual da Casa de Teologia de Campinas.

Também foi reitor do Seminário de Filosofia de São Carlos, coordenador da pastoral vocacional, vigário paroquial da Catedral da cidade e vigário paroquial em "Nossa Senhora de Fátima", entre outros cargos.

Os 13 novos cardeais anunciados pelo papa Francisco são: Mario Zenari (Itália), Dieudonne Nzapalainga (República Centro-Africana), Carlos Osoro Sierra (Espanha), Sergio da Rocha (Brasil), Blase Cupich (EUA), Patrick D'Rozario (Bangladesh), Baltazar Enrique Porras Cardozo (Venezuela), Josef De Kesell (Bélgica), Maurice Piat (Ilhas Maurício), Kevin Farrel (EUA), Carlos Aguiar Retes (México), John Ribat (Papua Nova Guiné), Joseph William Tobin (EUA). Com os novos cardeais, o Colégio cardinalício terá no próximo dia 19 de novembro membros de 79 países, sendo 59 eleitores. Seus componentes serão 228, e 120 deles terão menos de 80 anos.

LEIA MAIS: Estátua de Jesus Cristo "abre e fecha os olhos" em capela no interior do México

A Europa terá 112 cardeais (54 eleitores), a América do Norte terá 27 (17 eleitores), a América Central terá oito (quatro eleitores), a América do Sul terá 27 (13 eleitores), a África terá 24 (15 eleitores), a Ásia terá 24 (14 eleitores) e a Oceania terá seis (dois eleitores). Com a escolha de Dom Sérgio da Rocha, a Igreja brasileira passa a ter cinco cardeais eleitores: Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo; Raymundo Damasceno Assis, arcebispo de Aparecida; João Braz de Aviz, Prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica; e Orani João Tempesta, do Rio de Janeiro. Também são cardeais brasileiros Cláudio Hummes (SP), Paulo Evaristo Arns (SP), Aloísio Lorscheider (Fortaleza), José Freire Falcão (Brasília), Serafim Fernandes de Araújo (BH), Geraldo Majella Agnelo (Salvador) e Eusébio Oscar Scheid (RJ). Por terem mais de 80 anos, não participam de conclaves, mas podem ser eleitos papa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.