Tamanho do texto

Fortes ventos deixaram 10 mortos nos EUA até o momento. No Haiti, centenas de pessoas morreram após o furacão na última semana

Furacão Matthew atingiu os estados norte-americanos da Flórida, Geórgia, Carolina do Sul e Carolina do Norte; 10 mortes confirmadas
Reprodução/Twitter
Furacão Matthew atingiu os estados norte-americanos da Flórida, Geórgia, Carolina do Sul e Carolina do Norte; 10 mortes confirmadas

O Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos rebaixou hoje (9) o Furacão Matthew para a categoria de ciclone pós-tropical. Os fortes ventos deixaram dez mortos no país até o momento. No Haiti, centenas de pessoas morreram após a passagem do furacão na última semana.

+ Furacão mata dez pessoas nos Estados Unidos

Apesar da redução significativa na intensidade dos ventos, que chegaram a 210 quilômetros por hora na última sexta-feira (7), o serviço meteorológico norte-americano alerta que os perigos ainda são grandes e não devem ser minimizados. Para hoje, a previsão é que os ventos atinjam até 120 quilômetros por hora.

“Matthew vai continuar a provocar fortes chuvas, com enchentes ameaçadoras e tempestades perigosas em áreas próximas ao Oceano Atlântico”, informou o órgão.

Sites oficiais de Savannah, cidade mais antiga da Geórgia, e de Charleston, na Carolina do Sul, orientam os turistas a permanecerem em seus hotéis ou até mesmo a sair da cidade se houver um aumento das inundações.

Estragos no Haiti

Tropas brasileiras no Haiti trabalham no envio de comida e remédios para a população mais atingida pelo Matthew no país. A região oeste foi a mais castigada pela passagem do fenômeno.

+ A assustadora imagem que mostra o potencial devastador do furacão Matthew

A Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah) informou que os militares atuam desde o carregamento de navios que saem da capital Porto Príncipe com donativos até a reconstrução de estradas e organização da distribuição dos mantimentos.

Até o momento, foram confirmadas 877 mortes no Haiti provocadas pelo furacão. A Minustah, entretanto, estima mais de mil óbitos. Não há registro de mortos entre os soldados das forças da Organização das Nações Unidas (ONU).