Tamanho do texto

Com ventos que chegam a 250 quilômetros por hora, furacão atinge a costa leste dos EUA e obriga dois milhões de pessoas a abandonarem suas casas

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de  350 mil pessoas estão precisando de assistência no Haiti
Globonews/Reprodução
Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 350 mil pessoas estão precisando de assistência no Haiti

O furacão Matthew chegou nesta sexta-feira (7) aos Estados Unidos e já causou mortes, caos e destruição em alguns estados do país. 

LEIA MAIS:  A assustadora imagem que mostra o potencial devastador do furacão Matthew

A chegada do furacão já deixa cerca de 300 mil pessoas sem energia elétrica no estado da Flórida. O governador, Rick Scott, pediu à população que se encontra em áreas ameaçadas para que deixe suas casas e procure por abrigos públicos.

Cerca de dois milhões de pessoas abandonam suas casas no litoral dos estados da Flórida, Geórgia, Carolina do Sul e Carolina do Norte, seguindo recomendações das autoridades.

Em vez de se enquadrar na categoria 3, como vem ocorrendo com a sua passagem pelo arquipélago das Bahamas, no Caribe, era previsto que o  furacão  chegasse aos EUA na categoria 4, o que pode significar ventos de até 250 quilômetros por hora. 

Na quinta-feira (6), mais de 2,5 mil voos foram cancelados em Miami (Flórida) e Atlanta (Geórgia). Nesta sexta-feira, estão previstos o cancelamento de mais 1500 voos.

Ao passar pelo Caribe na última terça-feira (4), o Matthew ficou conhecido como o furacão mais perigoso em uma década a atingir a região, causando pelo menos 339 mortes, a maioria delas no Haiti. 

 Segundo nota do Exército brasileiro, o furacão Matthew atingiu a região sul do Haiti com ventos que chegaram a 220 Km/h
CNN/Reprodução - 06.10.2016
Segundo nota do Exército brasileiro, o furacão Matthew atingiu a região sul do Haiti com ventos que chegaram a 220 Km/h


O fenômeno também havia passado pelo Haiti na última terça-feira (4), devastando cidades e instaurando o caos no país. A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que 350 mil pessoas estejam precisando de assistência imediata no Haiti e que 1,5 milhão de pessoas tenham sido afetadas.

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), a situação se assemelha a um "cenário apocalíptico". De acordo com o porta-voz do órgão na Itália, Andrea Iacomini, cerca de 522 mil crianças foram atingidas com a passagem do Matthew.

LEIA MAIS:  Matthew ameaça a Flórida: como são escolhidos os nomes dos furacões

Iacomini disse que foram registrados casos graves de cólera, dengue e vírus Zika. "Com nossas equipes chegando, finalmente, às áreas atingidas, começam a vir notícias da situação", comentou.

O Haiti foi devastado por um terremoto em janeiro de 2010 e até hoje não conseguiu se recuperar completamente.

Imagem da Nasa mostra furacão Matthew, o maior a atingir o país em 50 anos, avançando pelo sudoeste do Haiti
Nasa - 04.10.2016
Imagem da Nasa mostra furacão Matthew, o maior a atingir o país em 50 anos, avançando pelo sudoeste do Haiti


Exército brasileiro no Haiti

Em nota, o Exército brasileiro informou que a passagem do furacão Matthew pela costa haitiana provocou danos à infraestrutura e à população do país, especialmente na região sul, onde ventos de mais de 220 Km/h e ondas de até 3 metros atingiram algumas cidades.

“No dia 2 de outubro, um efetivo de 78 militares do Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais, tropa integrante do Batalhão Brasileiro de Infantaria de Força de Paz, apoiado por um efetivo de 22 militares da Companhia Brasileira de Engenharia de Força de Paz, deslocou-se de forma preventiva para a localidade de Miragoâne, na região sudoeste do Haiti, com a finalidade de realizar ações de apoio à população local”, diz a nota.

LEIA MAIS:  Enchente arrasta caixões de cemitério na Lousiana; chuvas já deixaram 6 mortos

Segundo o Exército, as operações de segurança na área de responsabilidade do Brabat foram retomadas na manhã de quarta-feira (5).

Além das tropas já empregadas no Departamento Oeste e em Miragoâne, foram enviados militares para as cidades de Les Cayes, Petit Goave, Jacmel, Marigot, Belle-Anse, Anse-à-Pitres, Bainet, Côtes-de-Fer e Aquin no Sul do país, para fazer reconhecimentos e prestar apoio à população na região mais afetada pelo furacão.

* Com informações da Agência Brasil