undefined
Creative Commons/Divulgação
Um funcionário da empresa suspeito de extremismo fugiu para o Iêmen; outros dois foram acusados de alterar planilhas

Uma série de "problemas técnicos" ocorridos nos aviões da companhia aérea francesa Air France tem suscitado o temor de que funcionários radicalizados por grupos extremistas estejam trabalhando na empresa. A informação partiu de uma análise de dados divulgada pela publicação "Le Canard Enchainé" e foi amplamente repercutida pela mídia francesa.

LEIA MAIS: É possível tornar aeroportos seguros contra ataques terroristas?

Segundo os dados recolhidos, os motores de dezenas de aviões apresentaram problemas nos últimos meses durante a fase de "check list" dos comandantes e a própria empresa teria encontrado a frase "Allah Akbar" (Deus é Grande) em cerca de 40 tampas que cobrem o tanque de combustível das aeronaves. A frase é comumente usada por jihadistas antes de cometer atentados terroristas.

LEIA MAIS: Ataque terrorista deixa ao menos 13 mortos em aeroporto na capital da Somália

Além disso, após uma investigação interna, um funcionário suspeito de extremismo fugiu para o Iêmen e outros dois foram acusados de alterar planilhas oficinas da Air France. Outro caso relatado por um piloto da empresa aérea, ocorreu em pista, quando um agente se recusou a ajudar no pouso de um avião porque uma mulher comandava a aeronave.

LEIA MAIS: Relembre desastres aéreos misteriosos

Oficialmente, a Air France nega que tenha problemas com funcionários. Mas, em novembro do ano passado, uma investigação constatou que pessoas em risco de radicalização, identificadas com a sigla S, tinham cartões de acessos às pistas e às aeronaves. Desde então, 73 dessas autorizações foram retiradas.

Em nota, a Air France informou que "emprega todos os esforços, diariamente, para oferecer aos seus passageiros e tripulação o maior nível de segurança possível".

Segundo a empresa, a divisão de segurança da companhia "trabalha criteriosamente em colaboração conjunta com autoridades do aeroporto e departamentos do governo. Nenhum ato mal-intencionado foi confirmado e muito menos identificado. Os fatos descritos pelo Le Canard Enchaîné em artigo publicado no último dia 5 não correspondem à realidade. Tratam-se de rumores infundados e eventos fora de contexto". 

    Leia tudo sobre: Estado Islâmico

    Veja Também

      Mostrar mais