Tamanho do texto

Ele estava internado desde o dia 13 de setembro após sofrer um acidente vascular cerebral; ex-líder foi premiado com o Nobel da Paz em 1994

Ex-presidente de Israel, Shimon Peres morreu em hospital de Tel Aviv; ele havia sofrido um derrame em 13 de setembro
Divulgação
Ex-presidente de Israel, Shimon Peres morreu em hospital de Tel Aviv; ele havia sofrido um derrame em 13 de setembro

O ex-presidente de Israel e vencedor do prêmio Nobel da Paz Shimon Peres morreu na noite desta terça-feira (27) em Tel Aviv (Israel). Peres, que tinha 93 anos, sofreu um derrame no dia 13 de setembro e estava internado em coma induzido no Sheba Medical Center. O hospital confirmou a morte.

LEIA MAIS: França faz reunião para retomar processo de Paz entre Israel e Palestina

Shimon Peres foi primeiro-ministro de Israel duas vezes e presidente do país entre 2007 e 2014. Ele recebeu o Nobel da Paz em 1994 junto com Yitzhak Rabin, na época primeiro-ministro de Israel, e Yasser Arafat, presidente da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) por negociarem a assinatura do Acordo de Oslo, assinado entre Israel e a OLP, com mediação do então presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton.

O Acordo de Oslo não acabou com o histórico conflito entre palestinos e israelenses, mas representou um avanço nas negociações de reconciliação. Pela primeira vez, a OLP reconheceu o Estado de Israel e os israelenses avalizaram a OLP como representante do povo palestino.

Repercussão

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, lamentou nesta quarta-feira (28) a morte do ex-chefe de Peres. Segundo Abbas, trata-se de uma "grande perda para a humanidade e para a paz" no Oriente Médio. Já o site da revista "a-Risala", ligada ao Hamas, grupo que comanda a Faixa de Gaza, publicou um detalhado perfil do ex-presidente israelense, mas de caráter apenas informativo, sem opiniões. Até o momento, nenhum porta-voz da organização radical se pronunciou.

Seu funeral será realizado na manhã de sexta-feira (30), em Jerusalém , e deve contar com a presença de alguns dos principais líderes do mundo, como o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e da França, François Hollande, da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, do príncipe Charles e do primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau. O casal Bill e Hillary Clinton também deve participar.

No entanto, o corpo começará a ser velado no Knesset, o Parlamento de Israel, a partir desta quinta-feira (29). A polícia de Jerusalém já está reforçando a segurança, prevendo uma grande multidão se deslocando ao Congresso para dar adeus ao ex-líder.

LEIA MAIS: Dez perguntas para entender o conflito entre israelenses e palestinos

Também não faltaram mensagens de condolência pela morte do ex-chefe de Estado. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou que teve a "sorte" de conversar diversas vezes com essa "pessoa extraordinária". "Em cada ocasião admirei sua coragem e patriotismo, a sabedoria e a capacidade de ir até o fim em questões complicadas", disse.

Obama declarou que Peres era a "essência de Israel" e elogiou seus esforços pela paz no Oriente Médio. "Uma luz se vai, mas a esperança que nos deu brilhará para sempre", acrescentou.

Trajetória

Nascido em 1923, em Wiszniew, na Polônia, Peres e sua família imigraram para a então Palestina Britânica. Sua carreira política começou em 1941 e durou quase sete décadas, durante as quais foi duas vezes primeiro-ministro pelo Partido Trabalhista e ministro em inúmeros governos.

Em 1993, foi um dos responsáveis pelo Acordo de Paz de Oslo, pelo qual ganhou, junto com o então premier Yitzhak Rabin e o líder palestino Yasser Arafat, o prêmio Nobel da Paz em 1994.

LEIA MAIS: Após nomear radical, primeiro-ministro diz que Israel continuará em busca de paz

Presidente entre 2007 e 2014, Shimon Peres teve como um de seus últimos atos no cargo um encontro pela paz com o papa Francisco e Mahmoud Abbas no Vaticano . Chegou-se a divulgar que o Pontífice também iria para o funeral, mas o Vaticano negou, alegando que ele tem viagem marcada para a Geórgia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.