Tamanho do texto

Keith Scott teria problemas mentais e estaria sob efeito de medicamentos quando foi abordado e morto a tiros por oficiais na Carolina do Norte

Vídeo divulgado pela esposa de Keith Scott Lamon Scott mostra momentos antes da polícia atirar em seu marido nos EUA
Youtube/Reprodução - 23.09.2016
Vídeo divulgado pela esposa de Keith Scott Lamon Scott mostra momentos antes da polícia atirar em seu marido nos EUA



A família de Keith Lamont Scott, 42, divulgou nesta sexta-feira (23) um vídeo que mostra quando o rapaz foi morto a tiros por policiais na cidade de Charlotte, na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, na última terça-feira (20).

LEIA MAIS:  Tensão racial cresce nos EUA com mais uma morte de homem negro

O vídeo, gravado por sua esposa, Rakeyia Scott, mostra o exato momento em que Keith foi abordado pelos policiais na cidade do sul dos EUA. "Não atire nele. Ele não tem arma", conclama a mulher. Momentos depois, policiais gritam repetitivamente "largue a arma" enquanto Rakeyia insiste gritando aos policiais: "Ele não vai fazer nada com vocês. Ele acabou de tomar remédio!"

A mulher começa a pedir ao marido que saia do carro, evitando que os policiais quebrem os vidros do veículo. "Não os deixe quebrar o vidro, Keith. Não faça isso!"

LEIA MAIS:  Protestos e tensão racial levam governador a declarar estado de emergência

Instantes depois, tiros são ouvidos e a mulher grita desesperada: "Você atirou nele? Espero que ele não tenha morrido!" Os policiais ignoram o apelo da mulher enquanto mobilizam Scott; assista:



Tensão Racial

Em nota à "CNN", a polícia local alega que atirou em Scott por ele não ter obedecido aos comandos de largar a arma, mas a família do homem assegura que ele não portava o objeto.

O advogado da vítima, Eduardo Curry, afirmou que Scott sofria de problemas mentais após sofrer um acidente no ano passado e estava sob efeito de medicamentos. "Queremos que o público veja essas imagens e o que realmente ocorreu", afirmou Curry.

LEIA MAIS:  Uma pessoa morre em protestos nos EUA contra morte de homem negro

A morte do americano voltou a acirrar a tensão racial no país, principalmente depois que as forças policiais locais disseram que não iriam divulgar os vídeos. Em Charlotte, os protestos já ocorrem há três dias, mesmo após a cidade decretar toque de recolher

Na última segunda-feira (19), o jovem Tawon Boyd, 23, também morreu após resistir a abordagem policial no mesmo município.  O caso ocorreu após a mulher de Boyd denunciar "comportamentos estranhos" do companheiro. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.