Tamanho do texto

Ao menos 20 pessoas morreram em bombardeio que destruiu grande parte de comboio que levava alimentos a Alepo; ataque ocorre após fim de trégua

O governo do presidente da Síria,  Bashar al-Assad  ainda não fez nenhuma declaração sobre o ocorrido no país
Divulgação/07.06.2016
O governo do presidente da Síria, Bashar al-Assad ainda não fez nenhuma declaração sobre o ocorrido no país



Poucas horas após o governo sírio de Bashar al-Assad ter anunciado o fim da trégua no país, ao menos 20 pessoas morreram nesta segunda-feira (19) em um bombardeio que destruiu grande parte de um comboio que levava alimentos para a cidade de Alepo e seus arredores. 

LEIA MAIS:  EUA dizem que ataque que matou 80 em pleno cessar-fogo na Síria foi acidental

Os bombardeios na Síria atingiram e destruíram ao menos 18 dos 31 caminhões que levavam alimentos e outros produtos de primeira necessidade para a região de Urm al-Kubra, onde cerca de 78 mil pessoas precisam urgentemente de ajuda humanitária, de acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos e com um porta-voz das Nações Unidas.

O Observatório Sírio acredita que os aviões responsáveis pelos ataques devem pertencer às forças militares sírias ou russas, pois o comboio estava em uma parte rural do país dominada por forças rebeldes.

O governo de Assad ainda não fez nenhuma declaração sobre o ocorrido. Mais cedo, ainda na segunda-feira, moradores de áreas ao leste de Alepo já haviam relatado bombardeios na região.

LEIA MAIS:  Morre irmão de menino que chocou ao ser filmado após bombardeio na Síria

O acordo de cessar-fogo na Síria havia sido acertado entre Rússia e Estados Unidos na última segunda-feira (12). Ele daria condições para que alimentos, remédios e outros produtos de primeira necessidade pudessem ser entregues com segurança pela ajuda internacional para bairros civis tomados pela guerra.

 A trégua também tinha como objetivo que ambos os países iniciassem uma colaboração militar para combater grupos terroristas na região, como a Frente al-Nusra e o Estado Islâmico (EI).

LEIA MAIS:  Estado Islâmico usa dois mil reféns de escudo humano para fugir de cidade síria

Nos primeiros dias, o cessar-fogo conseguiu diminuir as mortes na Síria. Entretanto, desde a noite do último sábado (17), de acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos, mais de 90 pessoas morreram em ataques, entre elas 29 crianças e adolescentes e 17 mulheres. Este número não contabiliza os os 62 soldados sírios que morreram em bombardeios realizados pela coalizão internacional comandada pelos EUA no domingo (18). Para o país, o ataque atingiu "por engano" o exército sírio em Deir al-Zor.

*Com informações da Agência Brasil e da Ansa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.