Tamanho do texto

Organização programava explosão de bombas em pontos remotos da cidade de Turim, no norte da Itália, para atrair e matar policias, bombeiros e civis

A FAI é um grupo ultrarevolucionário europeu acusado de planejar ataques terroristas contra policiais e civis na Itália
Pixabay
A FAI é um grupo ultrarevolucionário europeu acusado de planejar ataques terroristas contra policiais e civis na Itália


A Polícia de Estado da Itália realiza desde as primeiras horas da manhã desta terça-feira (6) uma grande operação contra a Federação Anárquica Informal (FAI), um grupo ultrarevolucionário europeu acusado de planejar ataques terroristas contra policiais e civis na região de Turim, norte da Itália. 

LEIA MAIS:  Anarquistas enfrentam a polícia durante ato na fronteira entre Itália e Áustria

Segundo a polícia italiana, a organização  anarquista planejava explodir bombas em diversos pontos da cidade para atrair policiais e matá-los em seguida. O grupo também tinha planos de assasinar as equipes médicas, bombeiros e civis que fossem atender as ocorrências. 

Apesar de a polícia acreditar que a sede do grupo esteja em Turim, houve ações de busca e apreensão em 29 residências espalhadas pelas cidades italianas de Piemonte, Ligúria, Lazio, Emília-Romanha, Lombardia, Sardenha, Abruzzos, Campânia e Úmbria. Até o momento, sete pessoas foram presas e oito estão sendo processadas.

LEIA MAIS:  Anarquistas assumem carta-bomba na Itália, dizem fontes

Entre os detidos, estão Alfredo Cospito e Nicola Gai, expoentes do grupo, que já haviam sido condenados a mais de nove anos de detenção pelos atentados contra o CEO da Ansaldo, Roberto Adinolfi, em 2012.

O grupo rebelde também é acusado de ser responsável por ataques contra o então prefeito de Bologna, Sergio Cofferati, e contra o ex-primeiro-ministro da Itália Romano Prodi, em 2003.

LEIA MAIS:  Áustria paralisa construção de muro contra imigrantes na fronteira com a Itália

A análise do grande volume de dados documentais levou às autoridades a identificarem a estrutura da organização dentro da Itália e suas ramificações internacionais.

Série de ataques

A FAI começou a atuar em 2003 depois que o grupo enviou uma carta-bomba para Romano Prodi, o então presidente da Comissão Europeia (CE). O último atentado reivindicado pelo grupo ocorreu em dezembro de 2010, quando enviaram cartas-bombas às embaixadas do Chile e da Suíça em Roma, deixando duas pessoas feridas com as explosões.

O grupo é acusado de planejar três outros ataques terroristas no país.  Um deles ocorreu na região de Turim, conhecida como Crocetta, no dia 5 de março de 2007. Os outros dois ocorreram na região de Fossano Carabinieri, atingindo agentes da polícia paramilitar no dia 2 de junho de 2006. 

Organização anarquista planejava atentados com explosão de bombas em diversos pontos da cidade de Turim, na Itália
Pixabay
Organização anarquista planejava atentados com explosão de bombas em diversos pontos da cidade de Turim, na Itália



Em 13 anos de existência, a organização foi responsável pela atuação em 50 ataques anarquistas no país. 

Segundo o jornal italiano "The Italian Insider", a ideologia da FAI é oposta ao atual conceito de ordem europeu e ocidental. Eles também são contra o Marxismo por enchergarem a ideologia como um outro tipo de regime autoritário.

*Com informações da agência Ansa 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.