Tamanho do texto

Presidente da Filipinas xingou Barack Obama de "filho da puta" pelas críticas que o democrata fez à política de tolerância zero contra drogas de filipino

Presidente dos EUA, Barack Obama, criticou líder filipino por sua política de tolerância zero contra tráfico de drogas
Pixabay / Divulgação
Presidente dos EUA, Barack Obama, criticou líder filipino por sua política de tolerância zero contra tráfico de drogas


Xingado de "filho da puta" pelo presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, o americano Barack Obama decidiu cancelar um encontro com o mandatário que seria realizado no Laos, durante a cúpula da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean).

"O presidente não terá uma reunião bilateral com Rodrigo Duterte. No entanto, se encontrará com a presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye", declarou o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, Ned Price.

O presidente filipino, Rodrigo Duterte, havia xingado Obama nesta segunda-feira (5) após ser criticado por sua política de tolerância zero contra o tráfico de drogas – que resultou em milhares de execuções extrajudiciais.

LEIA MAIS:  Presidente filipino xinga Obama de 'filho da p...'

"É bom você não interferir, se não, filho da puta, vou te fazer pagar por isso", disse Duterte ao ser questionado por um repórter sobre como explicaria a Obama o alto número de homicídios extrajudiciais.

LEIA MAIS:  Recepção a Obama sem tapete vermelho é vista como "afronta diplomática" 

Nos últimos dois meses, a polícia filipina matou mais de 2 mil pessoas suspeitas de produzirem ou traficarem drogas. As execuções chamaram a atenção de outros países, como os Estados Unidos, que, em agosto, demonstraram preocupação com a política de Duterte, eleito em maio.

LEIA MAIS:  Obama desconfia de interferência russa nas eleições norte-americanas

Aos 71 anos de idade, Duterte também já ameaçou retirar as Filipinas da Organização das Nações Unidas (ONU) e sugeriu propor à China e às nações africanas a criação de um novo bloco internacional.

*Com informações da agência Ansa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.