Tamanho do texto

Em sua pergunta durante julgamento do impeachment, presidente do PSDB questionou se petista se via como responsável pela atual crise econômica

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, durante seu questionamento à presidente afastada Dilma Rousseff
Geraldo Magela/Agência Senado - 29.08.16
O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, durante seu questionamento à presidente afastada Dilma Rousseff

Rival de Dilma Rousseff nas eleições que a reelegeram à Presidência da República , o senador Aécio Neves (PSDB-MG) acusou a presidente afastada de ter mentido a seus eleitores no pleito ocorrido em 2014, nesta segunda-feira (29), no momento em que desenvolvia sua pergunta à petista no julgamento do impeachment. 

Foi a primeira vez que os dois se reencontraram publicamente desde as eleições vencidas por Dilma, nas quais obteve no segundo turno 51,6% dos votos válidos contra 48,3% do tucano – 54,5 milhões sobre 51,04 milhões do adversário. 

"Não poderia imaginar que, depois de nos despedirmos do último debate [eleitoral de 2014], nos encontraríamos nestas condições. Não digo o mesmo quando se vence as eleições faltando com a verdade e cometendo ilegalidades", disse o tucano.

"O voto, sabemos nós, não é um salvo-conduto. É uma delegação que pressupõe deveres e direitos, e o maior dos deveres é o respeito às lei, à Constituição", continuou Aécio, que perguntou em seguida em que medida Dilma se sentia responsável pela crise econômica que o Brasil passa.

Dilma respondeu que, após sua eleição em segundo turno no ano de 2014, uma série de medidas foram tomadas pela oposição para "tentar desestabilizar" seu governo. Em resposta a Aécio, a petista citou as tentativas dos tucanos de pedir recontagem de votos, auditorias em urnas eletrônicas e ressaltou que "não tem nada de mal ganhar ou perder eleição".

A presidente afastada Dilma Rousseff ao lado de seu advogado de defesa, o ex-ministro José Eduardo Cardozo
Jane de Araújo/Agência Senado - 29.8.16
A presidente afastada Dilma Rousseff ao lado de seu advogado de defesa, o ex-ministro José Eduardo Cardozo

"Eu saúdo todos aqueles que participam de eleições diretas, inclusive o senhor, que tem meu maior respeito por isso", discursou Dilma, aproveitando o momento para cutucar o ex-governador mineiro. "O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) permitiu minha diplomação porque não encontrou nenhuma irregularidade [...] E quero lembrar ao senhor que foram abertas investigações também contra suas contas."

Contra-ataque nas redes

O PSDB reagiu nas redes sociais à resposta da presidente afastada. Na conta oficial do Twitter, uma mensagem publicada pelo partido tucano afirma que Dilma não respondeu à pergunta após Aécio questionar se ela se sentia responsável pela recessão econômica do País.

Eduardo Amorim (PSC-SE); Fernando Collor (PTC-AL) e Aécio Neves (PSDB-MG) na sessão do julgamento desta segunda
Edilson Rodrigues/Agência Senado - 29.8.16
Eduardo Amorim (PSC-SE); Fernando Collor (PTC-AL) e Aécio Neves (PSDB-MG) na sessão do julgamento desta segunda

Ao mesmo tempo, a página criou uma enquete na qual pergunta "Dilma disse no julgamento do impeachment que não mentiu durante a campanha eleitoral. Qual a maior mentira? – a) a de hoje; b) a de 2014; c) as duas".

"Para a sorte de Dilma, os senadores não têm direito a réplica. Muitas das respostas da presidente afastada são bem questionáveis", postou o partido na rede social, onde já repercute a possibilidade de a presidente afastada ser presa pela força-tarefa da Operação Lava Jato caso perca foro privilegiado. "A presidente afastada vem fazendo um discurso protocolar, repetindo sempre as mesmas respostas, um discurso para registro histórico."  

    Leia tudo sobre: impeachment

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.