Tamanho do texto

Mineradores exigem a revogação de uma lei sobre o funcionamento de "cooperativas", muitas vezes usadas como fachada para esconder interesses comerciais; ministro tentava negociar quando foi brutalmente assassinado

Vice-ministro da Bolívia tentava negociar um acordo de paz com grevistas quando foi sequestrado, na quinta-feira (25)
Twitter/Reprodução
Vice-ministro da Bolívia tentava negociar um acordo de paz com grevistas quando foi sequestrado, na quinta-feira (25)


O governo da Bolívia confirmou nesta sexta-feira (26) que um grupo de mineiros autônomos em greve, também chamados no país de "cooperativistas", sequestrou e assassinou brutalmente o vice-ministro do Interior, Rodolfo Illanes. 

LEIA MAIS:  Para conseguir aumento de verba, governador faz greve de fome na Bolívia

Illanes, de 56 anos, foi tomado como refém e assasinado depois de um grande conflito entre grevistas e a polícia boliviana na região de Panduro, a cerca de 160 km da capital da Bolívia , La Paz. O ministro havia contatado os cooperativistas para negociar um acordo de paz. 

LEIA MAIS:  Assassinato de jovens é epidemia mortal que assombra a América Latina

Manifestantes exigem a revogação de uma lei recentemente aprovada que impõe limites aos funcionamentos de "cooperativas", muitas vezes usadas como fachada para esconder interesses comerciais, abusos aos direitos trabalhistas e contra o meio ambiente. Os administradores das organizações, por outro lado, asseguram que a lei inviabizaria suas atividades.  O ministro da Defesa, Reymi Ferreira, explicou que Illanes apanhou e sofreu torturas antes de ser morto. 

Ministro da Defesa da Bolívia, Reymi Ferreira lamentou o caso e disse que  Illanes sofreu torturas antes de ser morto
Twitter/Reprodução
Ministro da Defesa da Bolívia, Reymi Ferreira lamentou o caso e disse que Illanes sofreu torturas antes de ser morto



O ministro do Interior do governo do presidente Evo Morales, Carlos Romero, definiu o crime como "um homicídio covarde e brutal".  O corpo de Illanes foi recuperado nas últimas horas e enviado à capital para passar por exames.  Um ajudante do vice-ministro, capitão Freddy Bobarín, conseguiu escapar do linchamento e foi levado para tratamento em um hospital em La Paz.

LEIA MAIS:  Como a saída de Dilma muda o panorama político na América Latina

Até o momento, mais de 100 pessoas foram detidas pelo suposto envolvimento no episódio.
Há dias os mineiros bloqueiam uma estrada em Cochabamba. O governo boliviano pretendia negociar com os dirigentes nacionais dos cooperativistas, mas o sequestro de Illanes fez com que o encontro entre os dois lados fosse adiado.

Os conflitos sociais são uma característica histórica da Bolívia e foram superados durante a presidência de Evo Morales, até o começo da deterioração da economia nos últimos anos. Um dos setores mais afetados durante 2015 e 2016 foi o minerador. 

* Com informações da Agência Ansa

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.