Tamanho do texto

Partido da chanceler apresentará documento pedindo que uso da vestimenta seja proibido em edifícios públicos, manifestações e entre pessoas ao volante

Angela Merkel: fazendo coro a medidas já aplicadas há anos na França, um dos países com mais muçulmanos na Europa
Tobias Schwarz/Agence France Presse/Estadão Conteúdo 15.08.2016
Angela Merkel: fazendo coro a medidas já aplicadas há anos na França, um dos países com mais muçulmanos na Europa

Após cidades francesas anunciarem a proibição do burquíni  em seus territórios, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou que pretende adotar semelhante linha proibitiva no mais rico país europeu em proposta a ser apresentada na semana que vem.

O partido de Merkel tem planos de enviar ao Parlamento alemão nos próximos dias um documento em que pede a proibição parcial tanto da burca  quanto do niqab, traje que deixa apenas os olhos à mostra.

LEIA TAMBÉM:  Repórter do iG se passa por muçulmana e flagra preconceito nas ruas

A ideia é que o veto seja aplicado em edifícios públicos, manifestações e entre mulheres ao volante de automóveis, colocando ainda mais lenha na fogueira do debate sobre restrições a trajes islâmicos na Europa. Na França, a burca é proibida desde 2011. 

Na quinta-feira (18), a chanceler afirmou que os trajes usados por algumas mulheres muçulmanas, cobrindo seus corpos totalmente, são um "obstáculo à integração", e anunciou pleno apoio ao plano do ministro do Interior, Thomas de Maizière, de estabelecer proibições parciais àquelas que o usam. 

Burquíni

Após violentos incidentes ocorridos ao longo do fim de semana entre jovens locais e famílias de origem norte-africana, o prefeito de uma cidade na ilha francesa de Córsega decidiu proibir o uso do traje de banho islâmico conhecido como burquíni em suas praias. 

Chefe do Poder Executivo de Sisco, comuna no departamento de Alta Córsega, Ange-Pierre Vivoni é o terceiro prefeito francês a proibir o uso do burquíni nos últimos dias.

LEIA TAMBÉM:  Parlamento da Austrália proíbe uso da burca e gera polêmica

Em entrevista  à rádio France-Info, Vivoni justificou que a proibição tem como objetivo amainar as tensões religiosas na cidade e proteger os muçulmanos, cada vez mais alvos de atos xenofóbicos por parte de locais, consequência dos ataques terroristas que vêm assolando a Europa ao longo do ano. 

O Ministério do Interior da França confirmou que os confrontos ocorridos no fim de semana tiveram saldo de ao menos quatro pessoas feridas, além do registro de três casas incendiadas. Eles começaram depois que mulheres com burquínis chegaram à comuna. 

* Com informações da Ansa

Mulheres usam burca no Afeganistão: costume em alguns países, traje é criticado por muitos governantes europeus
Steve Evans/Creative Commons
Mulheres usam burca no Afeganistão: costume em alguns países, traje é criticado por muitos governantes europeus


    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.