Tamanho do texto

Ao todo, 300 sistemas de artilharia foram testados em unidades militares ao longo da fronteira dos países; Coreia do Norte não respondeu a provocações

Sistemas de artilharia foram testados em unidades militares ao longo da fronteira sul-coreana com o país de Kim Jong-un
Reprodução/NK News
Sistemas de artilharia foram testados em unidades militares ao longo da fronteira sul-coreana com o país de Kim Jong-un




O exército da Coreia do Sul informou nesta quinta-feira (18) ter realizado o maior exercício militar do país nos arredores da fronteira com a Coreia do Norte. Ao todo, 300 sistemas de artilharia foram testados em várias unidades militares nas proximidades com o país liderado pelo ditador Kim Jong-un. De acordo com um oficial do exército sul-coreano, diversos tiros foram disparados aleatoriamente. 

LEIA MAIS:  EUA seguirão com exercício militar com Seul 

Um militar sul-coreano ainda assegurou que os oficiais do país de Kim Jong-un não deram sinais de qualquer atividade fora do usual. O governo sul-coreano realiza, periodicamente, exercícios militares na fronteira entre os países. Mas o número de artilharia mobilizada nesta quinta-feira é o maior já registrado, relatou o exército. 

Kim Jong-un  vem intrigando o mundo com suas demonstrações de que seu país está pronto para uma eventual guerra
Wikimedia Commons
Kim Jong-un vem intrigando o mundo com suas demonstrações de que seu país está pronto para uma eventual guerra


Escalada de tensão

A fronteira entre as Coreias é a mais fortificada em todo o mundo e os dois países ocasionalmente trocam disparos na área.

Os exercícios militares mais recentes ocorrem um dia após a Coreia do Sul  informar que acolheu um graduado diplomata norte-coreano como refugiado . O anúncio deve enfurecer a Coreia do Norte, que geralmente trata casos do tipo como traições e acusa a nação vizinha de sequestrar ou enganar os cidadãos norte-coreanos para que eles se exilem.

Desde que chegou ao poder, em 2011, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, vem intrigando o mundo com suas demonstrações de que o regime está pronto para uma eventual guerra com o Ocidente. Em maio deste ano, o governo norte-coreano divulgou um vídeo em que ameaça realizar um ataque nuclear  aos EUA. No mesmo mês, o país a nunciou a ampliação de seu arsenal nuclear . Em abril, o  a Coreia do Norte sofreu sanções internacionais depois de lançar uma grande quantidade de mísseis e artilharia em direção ao mar. 

Apesar do ditador Kim Jong-un se comprometer a estabelecer um tratado de paz que substitua o armistício da Guerra da Coreia, fontes do governo sul-coreano insistem que isso não deve ocorrer. 

*Com informações do Estadão Conteúdo