Tamanho do texto

Operação foi realizada nessa quarta-feira e de acordo com a agência de notícias AP, ação foi deflagrada por medo de que Driver realizasse um ataque

Canadá e França fazem parte da coalizão internacional, liderada pelos EUA, para combater os jihadistas no Iraque
Reprodução/Internet
Canadá e França fazem parte da coalizão internacional, liderada pelos EUA, para combater os jihadistas no Iraque

A polícia do Canadá informou que matou um homem suspeito de ter ligações com o grupo terrorista Estado Islâmico. De acordo com informações da mídia local, o suposto terrorista se chamava Aaron Driver e tinha 24 anos.

VEJA MAIS:  França prende 3º suspeito de ataque em igreja que terminou com padre

A operação foi realizada pela polícia do Canadá nessa quarta-feira (10) e de acordo com a agência de notícias Associated Press", a ação foi deflagrada por medo de que Driver realizasse um ataque suicida em algum lugar público onde várias pessoas seriam vítimas do atentado.

As autoridades do país não chegaram a revelar se encontraram ou não algum tipo de explosivo com o homem. Aaron Driver, natural de Winnipeg, já havia sido ouvido há dois anos pela Justiça por ser suspeito de ser simpatizante do Estado Islâmico.

Adolescente francesa é presa por suspeita de planejar ataques terroristas

Uma adolescente francesa de 16 anos foi presa por suspeita de planejar ataques terroristas usando o aplicativo de mensagens Telegram. De acordo com fontes da Justiça do país, ela era administradora de um grupo criptografado que foi usado pelos homens que mataram um padre na Normandia no mês passado .

Conforme informou a rede de notícias BBC, a menina, que não tem antecedentes criminais, foi detida na casa onde vive durante uma ação antiterrorismo realizada perto de Paris na última quinta-feira (4). A detenção foi resultado de um acompanhamento feito pelo serviço de segurança de comportamentos suspeitos em redes sociais.

"Ela retransmitiu numerosas mensagens de propagandas do grupo terrorista Estado Islâmico  pedindo ataques e também expressou sua própria intenção de agir", disse uma fonte próxima à investigação à agência de notícias France-Presse.

As forças de segurança invadiram a casa da família da adolescente em Melun, no sudeste de Paris e levaram a menina sob custódia, apesar de não terem encontrado explosivos ou armas de fogo no local. Segundo a investigação, que não divulgou os objetivos específicos da menina, ela foi "extremamente radicalizada".

A adolescente é investigada por "incentivar crime terrorista" e por "provocação a cometer atos terroristas usando a comunicação on-line".

A França vive sob estado de emergência desde os ataques jihadistas que mataram 130 pessoas em novembro  passado em Paris. O parlamento estendeu a medida por mais seis meses após o ataque com um caminhão no sul da cidade de Nice que matou 85 pessoas  no Dia da Bastilha, no mês passado.

França e Canadá fazem parte da coalizão internacional, liderada pelos Estados Unidos, para combater os jihadistas no Iraque. O novo premier Justin Trudeau diminuiu a participação nos combates, mas o país ainda pode ser alvo de ataques de lobos solitários.

    Leia tudo sobre: estado islâmico

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.