Tamanho do texto

Pesquisa encomendada pela agência de notícias Reuters à Ipsos é divulgada em momento em que opositores de Trump tentam enfraquecer candidatura

O magnata Donald Trump: sua candidatura vem perdendo força, mostram as mais recentes pesquisas de opinião
Divulgação - 27.07.16
O magnata Donald Trump: sua candidatura vem perdendo força, mostram as mais recentes pesquisas de opinião

Um em cada cinco eleitores do Partido Republicano quer que Donald Trump desista de se candidatar à presidência dos Estados Unidos. É o que mostra pesquisa encomendada pela agência de notícias Reuters à Ipsos, divulgada nesta quarta-feira (10).

O levantamento, que ouviu 396 eleitores filiados ao partido, mostra que 20% deles querem que Donald Trump abandone a corrida à Casa Branca, disputa que tem como principal adversária a democrata Hillary Clinton, apoiada pelo atual presidente norte-americano, Barack Obama. 

LEIA TAMBÉM:  Discurso de Donald Trump é "demagógico, populista e racista"

Do total de filiados aos republicanos, 10% não souberam responder a pesquisa, enquanto 70% defenderam a continuidade do magnata na campanha na campanha presidencial. A margem de erro do levantamento é de seis pontos percentuais.

Trump tem visto sua candidatura enfraquecer nas últimas semanas. Pesquisa de opinião de votos divulgada na semana passada pela Reuters/Ipsos mostrou Hillary abrindo vantagem de oito pontos sobre o adversário – 43% contra 35%. Nesta semana, ela chegou a 50% das intenções de voto , de acordo com a Universidade Monmouth.

Preocupação com possível vitória

O percentual dos que pedem para o magnata desistir da candidatura aumenta ainda mais quando são ouvidos eleitores não filiados ao partido. Em uma série de 1.162 entrevistas, 44% dos que as responderam são contra a campanha do republicano. A margem de erro é de três pontos percentuais.

A democrata Hillary Clinton: últimas pesquisas mostram a ex-primeira-dama com ampla vantagem sobre adversário
Robyn Beck/Agence France Presse/Estadão Conteúdo - 28.07.2016
A democrata Hillary Clinton: últimas pesquisas mostram a ex-primeira-dama com ampla vantagem sobre adversário

Na semana passada, a campanha do magnata recebeu diversas críticas devido às declarações polêmicas do candidato sobre a entrada de muçulmanos nos EUA e a respeito da segurança interna do país. Ele defende a proibição de entrada de seguidores do islamismo no país, além da construção de um muro na fronteira com o México e da deportação massiva de pessoas sem documentação.

LEIA TAMBÉM:  O discurso da mulher de Donald Trump, acusada de plagiar Michelle Obama

Apesar de ter o apoio da classe trabalhadora conservadora, o candidato tem sido criticado pelo teor extremista de suas declarações e pelo tom de confronto que usa quando lida com líderes tradicionais do partido.

Carta anti-Trump

Cerca de 50 especialistas em segurança nacional publicaram uma carta aberta nesta semana na qual declaram que não vão votar em no magnata. O grupo afirma que a ele faltam “caráter, valores e experiência” para ser presidente. 

Donald Trump ao lado de sua mulher, Melania: discurso plagiado de Michelle Obama rendeu piadas contra a eslovena
Twitter/Reprodução
Donald Trump ao lado de sua mulher, Melania: discurso plagiado de Michelle Obama rendeu piadas contra a eslovena

Em sua última declaração polêmica, Donald Trump sugeriu aos defensores do porte de armas no país que trabalhem para “impedir Hillary Clinton” – caso ganhe a eleição – de indicar juízes liberais para a Suprema Corte. O comentário foi visto como inadequado por ter “incitado” a violência em um dos temas mais sensíveis dos EUA: o controle de armas de fogo, que ganha força a cada novo massacre ocorrido nas ruas e universidades norte-americanas.

* Com informações do Estadão Conteúdo 

    Leia tudo sobre: donald trump