Tamanho do texto

De acordo com comunicado divulgado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), ao menos dois milhões de pessoas estão sem água em Alepo

Batalha por Alepo, maior cidade e coração comercial do país, é crucial para a guerra civil na Síria, que começou em 2011
Civil Defense Idlib/ Fotos Públicas - 29.7.16
Batalha por Alepo, maior cidade e coração comercial do país, é crucial para a guerra civil na Síria, que começou em 2011

Um braço da Organização das Nações Unidas (ONU) pediu uma trégua humanitária de 48 horas nos enfrentamentos registrados na cidade síria de Alepo para ajudar a população, que sofre com a falta de água e eletricidade em meio à onda de violência que assola a região.

Os confrontos pelo controle da cidade síria  danificaram a infraestrutura da região e deixaram ao menos dois milhões de moradores sem abastecimento de água nos últimos dias, de acordo com comunicado divulgado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), nesta terça-feira (9).

LEIA TAMBÉM:  Bombardeio mata médicos e pacientes em maternidade no norte da Síria

No texto, o residente da ONU e coordenador humanitário na Síria, Yacoub El Hillo, e o coordenador regional humanitário para a crise no país, Kevin Kennedy, explicam que, após a destruição da rede hídrica, os poços e cisternas não têm sido suficientes para satisfazer as necessidades da população local.

"Quando a tática do cerco é utilizada de modo intencional para privar as pessoas de alimentos e de outros bens essenciais, ela constitui um crime de guerra", concluem os representantes no documento.

Síria sofre com uma guerra civil desde 2011, quando opositores ao regime de Assad iniciaram uma rebelião armada
Delil Souleiman/ Agence France Presse/ Estadão Conteúdo- 29.7.16
Síria sofre com uma guerra civil desde 2011, quando opositores ao regime de Assad iniciaram uma rebelião armada

Intensificação de bombardeios

O alerta é feito no momento em que ativistas sírios acusam aviões da ditadura Bashar al-Assad de bombardear posições rebeldes na cidade, especialmente no norte.  Relatos afirmam que nas últimas semanas têm sido registradas "inúmeras mortes de civis" nas ofensivas de ambos os lados, enquanto continuam "os ataques a hospitais e clínicas."

A batalha por Alepo, maior cidade e coração comercial do país, é crucial para a guerra civil síria, que se arrasta desde 2011 e inclui como protagonistas grupos rebeldes como Estado Islâmico  e a Frente al-Nusra. 

A guerra na Síria começou quando opositores ao regime de Assad iniciaram uma rebelião armada para tirar o ditador do poder, inspirados na Primavera Árabe, que se espalhou por países da Península Árabe. O vazio no poder gerado pelo conflito foi responsável por fortalecer grupos jihadistas, que ajudam a espalhar o caos pela região. 

* Com informações da Ansa e Estadão Conteúdo

    Leia tudo sobre: Estado Islâmico