Tamanho do texto

Repressão mira supostos seguidores do clérigo Fethullah Gulen, que está exilado nos Estados Unidos, e a quem Ancara acusa de ser o mentor do golpe

A Turquia também tem reformado seu aparato de segurança após a tentativa de golpe
ADEM ALTAN/AGENCE FRANCE PRESSE/ESTADÃO CONTEÚDO
A Turquia também tem reformado seu aparato de segurança após a tentativa de golpe

Dezenas de militares das forças especiais foram presos na Turquia, neste sábado (6), no último desdobramento de uma dura repressão na sequência da tentativa de golpe que deixou mais 270 mortos no país, de acordo com a agência de notícias do governo, Anadolu.

A repressão mira supostos seguidores do clérigo Fethullah Gulen, que está exilado nos Estados Unidos, e a quem Ancara acusa de ser o mentor do golpe. Dezenas de milhares de membros do exército, da polícia, do judiciário e funcionários do setor público foram demitidos, detidos ou presos.

LEIA MAIS: Turquia age para afastar mais partidários suspeitos de apoiar golpe

A Turquia também tem reformado seu aparato de segurança após a tentativa de golpe, com o exército sendo conduzido firmemente sob autoridade civil em uma série de decretos governamentais, após a declaração do estado de emergência.

Hoje, o primeiro-ministro Binali Yildirim presidiu uma reunião de cúpula em Ancara sobre segurança com autoridades de alto nível do governo e do exército. Entre os presentes estavam os ministros de Relações Exteriores, Justiça, Interior e Defesa, e os chefe do estado-maior, da agência nacional de inteligência e da polícia nacional. Nenhuma decisão foi anunciada na sequência da reunião. Fonte: Associated Press.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.