Tamanho do texto

Pierre Hattermann, que perdeu mulher e filho no ataque, estava internado desde que foi atropelado por caminhão na cidade de Nice, em 14 de julho

O psicólogo Pierre Hattermann, de 56 anos, que se tornou a 85ª vítima dos ataques no litoral sul da França
Grefo Psychologie/Divulgação
O psicólogo Pierre Hattermann, de 56 anos, que se tornou a 85ª vítima dos ataques no litoral sul da França

Mais de 20 dias após o inesperado ataque terrorista que deixou mais de 80 mortos no litoral da França, as autoridades do país anunciaram que o número de vítimas aumentou, em nota divulgada na noite de quinta-feira (4).

Um entre as centenas de moradores e turistas atingidos pelo caminhão dirigido por um terrorista que jurou fidelidade ao Estado Islâmico no sul da França , Pierre Hattermann, de 56 anos, morreu em decorrência dos ferimentos.

LEIA TAMBÉM:  Estado Islâmico imita nazistas e passa a executar bebês com down

O anúncio foi feito por Christian Estrosi, presidente da região onde se encontra a cidade da Riviera Francesa. "Todos os meus pensamentos estão com a família e os parentes de Hatterman", postou ele.

Tragédia em família

A morte de Hatterman encerra uma tragédia em família. A mulher da vítima e seu filho de 13 anos também morreram quando um caminhão dirigido pelo franco-tunisiano Mohamed Bouhlel atropelou centenas de pessoas no famoso Passeio dos Ingleses, em Nice, em 14 de julho.

Moradores de Nice e turistas homenageiam mortos em ataque ocorrido durante feriado nacional na cidade litorânea
Valery Hache/AFP/Estadão Conteúdo
Moradores de Nice e turistas homenageiam mortos em ataque ocorrido durante feriado nacional na cidade litorânea

No momento do ataque, moradores e turistas estavam reunidos no passeio marítimo para os festejos do Dia da Bastilha, feriado nacional em que se comemora a Revolução Francesa. O ataque foi posteriormente reivindicado pelo Estado Islâmico, a quem Bouhlel havia jurado fidelidade.

Psicólogo de 56 anos, Hattermann morreu no Hospital Pasteur. Ele vivia no leste da França e estava passa férias com a família em Nice quando foi atingido.

Radicalizados

Identificado pela polícia como Mohamed Lahoujaiej Bouhlel , o autor do ataque tinha 31 anos e havia se radicalizado pouco antes do massacre, de acordo com o Ministério da Defesa francês. 

Segundo o órgão, mais de 160 pessoas foram detidas por ligação com terrorismo desde o início do ano, o que teria impedido uma série de ataques dentro do território francês. Ainda assim, possíveis lobos solitários, como o próprio Bouhlel, são desconhecidos pela inteligência, o que amplia o risco de ataques no país – e no resto do mundo.  

O presidente da França, François Hollande, visita igreja onde terroristas degolaram padre no final do mês passado
Agence France Presse/Estadão Conteúdo - 26.07.16
O presidente da França, François Hollande, visita igreja onde terroristas degolaram padre no final do mês passado

Padre degolado

Dias depois do massacre com o caminhão, um padre foi degolado  em um ataque terrorista realizado na comuna de Saint-Etienne-du-Rouvray, nas proximidades da cidade francesa de Rouen, localizada a cerca de duas horas de carro de Paris, em 26 de julho. 

De acordo com testemunhas, os terroristas invadiram a igreja com facas e gritando que agiam em defesa do Estado Islâmico, grupo que desde o final do ano passado, quando ocorreram os ataques que deixaram 130 mortos em Paris, vem reforçando os ataques no exterior. O EI reivindicou a autoria do atentado.

O padre morto foi identificado Jacques Hamel, de 86 anos. Durante a ação, realizada por volta das 9h, no momento em que ocorria uma missa, ele foi mantido como refém pelo grupo ao lado de duas freiras e outras pessoas que estavam no local para as orações da manhã na igreja. O presidente da França,  François Hollande, afirmou que o local era bastante frequentada por ele quando era criança.