Tamanho do texto

Para justiça norte-americana, Néstor Reverol teria facilitado transporte de cocaína mediante propina de traficantes; Nicolás Maduro destaca eficiência do novo ministro, que afirma ter atuação exemplar no combate ao tráfico

Presidente da Venezuela, Maduro disse em programa de televisão que acusações a Reverol eram
Fabio Pozzebom/Agência Brasil
Presidente da Venezuela, Maduro disse em programa de televisão que acusações a Reverol eram "de interesse dos EUA"


O presidente venezuelano Nicolás Maduro desafiou os Estados Unidos ao nomear o general Néstor Reverol ministro de Interior, Justiça e Paz – que um dia antes foi acusado formalmente por associação ao narcotráfico pela justiça norte-americana. O embate acontece justamente  em um momento delicado para o país  – rico em petróleo, mas que está dividido e passa por grandes turbulências políticas e econômicas.

LEIA MAIS:  Símbolo da esquerda uruguaia, Mujica diz que Maduro é "louco varrido"

Promotores dos EUA acreditam que Reverol tenha participado de esquema de contrabando que levou milhares de toneladas de cocaína da Venezuela para os EUA. Segundo as investigações, ele teria facilitado o transporte do entorpecente enquanto comandava o escritório antidrogas, uma unidade do Ministério do Interior, entre 2008 e 2010, mediante pagamento de propina de traficantes colombianos.

No mesmo dia da acusação, Maduro disse em um programa de televisão que o general bateu o "recorde mundial" de captura de traficantes durante o período anterior em que foi ministro do Interior, de 2012 a 2013. Para o presidente venezuelano, o processo norte-americano é do interesse dos "traficantes de drogas que comandam a política externa dos EUA", que querem fazer o general "pagar" por sua eficiência no combate ao narcotráfico.

Crise

No último mês de novembro, dois sobrinhos da primeira-dama venezuelana, Cilia Flores, acabaram presos no Haiti e levados para Nova York, onde foram acusados de participar de esquema que pretendia importar 800 quilos de cocaína para os EUA. A dupla nega as acusações e aguarda julgamento em Manhattan.

Com a polaridade política e a crise na Venezuela, Maduro vem enfrentando fortes protestos de oposição a seu governo
Reprodução/Facebook/Henrique Capriles
Com a polaridade política e a crise na Venezuela, Maduro vem enfrentando fortes protestos de oposição a seu governo




"Com a explosão social de pessoas famintas no horizonte, Maduro colocou a política nacional sob o comando de um notório criminoso, deixando claro de que lado está", afirmou Roger Noriega, principal diplomata do governo do ex-presidente norte-americano George W. Bush para a América Latina.

LEIA MAIS: Maduro paralisa venda de alimentos e população se revolta na Venezuela

Analistas políticos acreditam que vários narcotraficantes mudaram suas operações da Colômbia para a Venezuela, onde o controle de fronteiras é menos rigoroso. Os EUA estimam que, em 2013, cerca de 131 toneladas de cocaína – metade da produção colombiana – passou pela Venezuela antes de seguir para os territórios norte-americano e europeu.

*Com informações do Estadão Conteúdo

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.