Tamanho do texto

Com aprovação da lei, crianças israelenses podem ser condenadas por terrorismo e crimes considerados graves; governo afirma que "atitude agressiva" é necessária pelo aumento de ataques terroristas na região

Lei polêmica passa a permitir que crianças entre 12 a 14 anos possam ser presas e condenadas por “ameaças terroristas”
Pixabay
Lei polêmica passa a permitir que crianças entre 12 a 14 anos possam ser presas e condenadas por “ameaças terroristas”


Uma lei aprovada pelo parlamento israelense nesta quarta-feira (3) chamou a atenção dos orgãos de direitos humanos ao redor do mundo. Com a aprovação da "Lei Juvenil", Israel passou a permitir que crianças entre 12 e 14 anos sejam presas e condenadas por “ameaças terroristas” ou crimes considerados graves, como assasinato.

LEIA MAIS:  Contra o terrorismo, Inglaterra terá mais policiais armados nas ruas

As informações foram confirmadas pelo governo israelense nesta quarta-feira. Em nota, o governo de Israel  explicou que os ataques terroristas recentes "demandam atitudes mais agressivas em relação aos adolescentes". 

LEIA MAIS:  Após ataque terrorista, Israel suspende entrada de 83 mil palestinos 

O grupo de direitos humanos israelense "B'T" criticou a atitude do governo e o descaso das autoridades com as crianças palestinas e israelenses. "Em vez de enviar essas crianças para prisão, Israel deveria colocá-las na escola, onde eles podem crescer com dignidade e liberdade. Com essa atitude, o governo nega a essas crianças a oportunidade de um futuro melhor", declarou a organização, conforme publicado pelo site da "Al Jazeera". 

LEIA MAIS:  Bélgica prende irmãos acusados de planejar ato terrorista

Desde outubro de 2015, forças israelenses foram culpadas de matar ao menos 219 palestinos. No mesmo período, palestinos foram acusados de matar 34 israelenses. 

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.