Tamanho do texto

Polícia federal norte-americana ressalta que perda de território por parte do grupo terrorista Islâmico pode resultar em "diáspora inédita" de extremistas

Em 2015, atentados reivindicados pelo grupo jihadista Estado Islâmico deixaram cerca de 130 pessoas mortas em Paris
Reprodução/Twitter
Em 2015, atentados reivindicados pelo grupo jihadista Estado Islâmico deixaram cerca de 130 pessoas mortas em Paris


O diretor do FBI, James Comey, afirmou nesta sexta-feira (29) que o enfraquecimento do grupo jihadista Estado Islâmico deve levar a um aumento no número de ataques terroristas nos Estados Unidos e na Europa.

LEIA TAMBÉM:  Cannes proíbe bolsas grandes na praia por medo de ataques terroristas

"Em certo ponto, haverá uma diáspora de jihadistas  da Síria como jamais vimos até agora", declarou o chefe da agência federal norte-americana durante uma conferência sobre cibersegurança. "Nem todos os terroristas do EI morrerão no campo de batalha."

O Estado Islâmico vem perdendo nos últimos meses diversos territórios que estavam sob seu controle, como a cidade histórica de Palmira, na Síria, e Fallujah, no Iraque. Além disso, bombardeios da coalizão liderada pelos EUA e da Rússia, em aliança com o regime sírio de Bashar al Assad, destruíram refinarias de petróleo que serviam para financiar o grupo.

LEIA TAMBÉM:  Suspeito de ligação com terrorismo no Brasil jurou lealdade ao EI

Mas o enfraquecimento levanta temores sobre uma eventual escalada do terrorismo no Ocidente, seja em ações planejadas pelo próprio EI, como os atentados de Paris e Bruxelas, seja pela atuação dos chamados "lobos solitários", como teriam sido os ataques de Nice, Orlando e Ansbach.

O grupo terrorista também tem se mostrado extremamente competente no uso da internet para disseminar sua ideologia, influenciando pessoas que nunca chegaram perto da Síria ou do Iraque.

Jihadistas assumiram autoria do atentando a uma boate gay em Orlando, nos EUA, que deixou 50 mortos e 53 feridos
Reprodução
Jihadistas assumiram autoria do atentando a uma boate gay em Orlando, nos EUA, que deixou 50 mortos e 53 feridos


Onda de terror 

A Europa passa por uma onda de atentados. A França tem sido um dos países mais castigados. Em janeiro de 2015, quatro homens fortemente amardos mataram 12 jornalistas do jornal satírico Francês Charlie Hebdo .

Em novembro daquele ano, ataques coordenados em uma casa de shows e um restaurante turístico na capital parisiense  deixaram128 mortos. No dia 14 de julho, celebração do dia da Queda da Bastilha, um homem atropelou diversas pessoas com um caminhão em Nice, deixando 84 mortos e mais de 200 feridos .

 Na última terça-feira (26), terroristas ligados ao Estado Islâmico invadiram uma igreja e degolaram um padre na cidade de Saint-Etienne-du-Rouvray,  a cerca de duas horas de Paris. 

Apesar da escalada de ataques nos EUA e na Europa, a proximidade com a Olimpíada do Rio mobiliza autoridades nacionais e internacionais para evitar um eventual atentado do grupo jihadista no país. Na última sexta-feira (22), a Operação Hashtag da PF  prendeu um grupo suspeito de planejar ataques durante o evento.

Veja quais foram os alvos da Operação Hashtag:



*Com informações da agência Ansa




    Leia tudo sobre: Estado Islâmico