Tamanho do texto

Presidente também outorgou às forças armadas venezuelanas a coordenação da distribuição de produtos e medicamentos

Consula popular revela que presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tem 70 % de desaprovação
Marcos Oliveira/Agência Senado
Consula popular revela que presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tem 70 % de desaprovação




Em anúncio televisivo na noite da última terça-feira (12), o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou que os portos venezuelanos passarão a ser controlados pelo exército em mais uma tentativa de combate à forte crise econômica do país . "Hoje assumimos controle de cinco portos fundamentais do país: Guanta, La Guaira, Puerto Cabello, Maracaibo e Guamache", afirmou Maduro.

LEIA MAIS:  OEA convoca reunião de emergência para discutir crise na Venezuela

Na última segunda-feira (11), o presidente outorgou às forças armadas da Venezuela a coordenação da distribuição de produtos e medicamentos em combate à escassez de produtos essenciais. 

Maduro criou um novo órgão, chefiado pelo ministro de Defesa da Venezuela, Valdimir Padrino, que irá controlar a compra, venda e distribuição de produtos alimentícios, medicamentos, produtos de higiene pessoal e de limpeza. No ano passado, Maduro já havia elaborado ferramentas para controle desses ítens. 

Primeiro, o governo estabeleceu uma cota de ítens básicos, controlada por biometria. As longas filas nos supermercados obrigou Caracas a criar um rodízio para compras, estabelecido de acordo com o número de identidade do comprador. 

LEIA MAIS: O bairro da Venezuela onde as mãe assumiram o poder e acabaram com a violência

As medidas não funcionaram e a escassez tornou-se realidade no país. Produtos como biscoitos e papel higiênico passaram a ser vendidos no "mercado negro" a preços exorbitantes. Casos de pessoas vendendo seus lugares nas filas dos supermercados em dias de reabastecimento também foram relatados.

Venezuelanos enfrentam um
Reprodução
Venezuelanos enfrentam um "rodízio para compras" de acordo com a identidade do comprador


Nomeações

De forma estratégica, Maduro nomeou diferentes autoridades para cada um dos portos e indicou o general Efraín Velasco Lugo como presidente da estatal Bolivariana de Portos, que administra as instalações de carga marítima do país.  

LEIA MAIS: Maduro paralisa venda de alimentos e população se revolta na Venezuela

"Com essas nomeações, os portos começarão a operar como devem", assegurou Maduro. O controle militar, segundo ele, deve auxiliar no combate da corrupção irrigada no setor público e privado no país. Especialistas destacam que um dos objetivos das inspeções, que começaram a ser realizadas nos portos da Venezuela, é verificar a real quantidade de produtos importados.

*Com informações da Agência Brasil e Agência Estado