Tamanho do texto

Virtual candidato republicano à presidência dos EUA exaltou ex-ditador iraquiano por combater terrorismo: "Era bom nisso"

Candidatura de Donald Trump enfrenta resistência dentro do próprio Partido Republicano
Reprodução/Facebook Donald J. Trump
Candidatura de Donald Trump enfrenta resistência dentro do próprio Partido Republicano

O virtual candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, elogiou o ex-ditador do Iraque, Saddam Hussein, por matar terroristas.

"Saddam era um cara mau, certo? Mas sabem o que ele fez bem? Ele matou terroristas. Ele era bom nisso", disse em um comício de campanha na noite desta terça-feira (5). "Eles não liam (para os terroristas) seus direitos, eles não conversavam. Se fossem terroristas, era o fim."

Anteriormente, Trump já havia dito que o mundo seria um lugar "100% melhor" caso ditadores como Hussein e o ex-manda-chuva da Líbia, Muammar Kadafi, ainda estivessem no poder.

Jake Sullivan, conselheiro sênior de Hillary Clinton, criticou as declarações do republicano, afirmando que elas "demonstram o quão perigoso pode ser um presidente indigno de ocupar a posição."

Os comentários de Trump sobre política exterior atraem críticas de dentro do próprio Partido Republicano. Suas declarações críticas à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e da presença de tropas em outros países sugerem uma posição isolacionista dentro de um mundo cada vez mais perigoso.

No início de março, mais de 70 experts conservadores, incluindo o ex-secretário de Segurança Nacional Michael Chertoff, escreveram uma carta aberta em que se opunham à candidatura de Trump, uma indicação de que pode haver uma pequena base de profissionais de segurança nacional dispostos a se engajar em um governo Trump caso ele vença as eleições em novembro.

Eles chamaram o empresário de "fundamentalmente desonesto" e afirmaram que seu apoio ao uso expandido da tortura contra terroristas suspeitos era indesculpável. Eles também criticaram a "retórica de ódio e anti-Islã" do milionário, bem como sua admiração pelo presidente russo Vladimir Putin e seus ataques aos acordos comerciais.

    Leia tudo sobre: Donald Trump