Tamanho do texto

O pai do possível atirador ainda disse estar chocado como o restante dos EUA, e promete ajudar os investigadores

Tiroteio em boate gay de Orlando  aconteceu na manhã deste domingo (12) e deixou 50 mortos
Reprodução
Tiroteio em boate gay de Orlando aconteceu na manhã deste domingo (12) e deixou 50 mortos

O pai do suposto atirador da boate gay Pulse, em Orlando, afirmou em entrevista à emissora "NBC News" que seu filho, Omar Sediqque Mateen, estava expressando "ódio" aos gays.

"A questão religiosa não tem nada a ver com isso. Ele viu dois homens se beijando em Miami há alguns meses e ficou muito irritado. Estamos chocados como o resto dos EUA", disse Mir Sediqque. Segundo ele, Omar ficou indignado que seus filhos vissem aquela cena.

"Nós queremos pedir desculpas por esse incidente. Nós não imaginamos que ele faria isso. Estamos chocados, muito chocados", disse Mir informando que ajudará os investigadores.
A polícia ainda não confirmou oficialmente que Omar tenha realizado o ataque, mas a mídia dá como certo o nome do jovem.

Veja imagens da tragédia em Orlando: