Tamanho do texto

Ainda não se sabe as motivações de Omar Mateen para um dos piores tiroteios do país, mas algumas características foram reveladas pela família, autoridades e suposta ex-mulher

Mateen, de 29 anos, nasceu na cidade de Nova York e tinha pais de origem afegã
Reprodução/My Space
Mateen, de 29 anos, nasceu na cidade de Nova York e tinha pais de origem afegã

Omar Mateen é o homem responsável por um dos piores tiroteios nos Estados Unidos, quem matou ao menos 50 pessoas e feriu outras 53 em Orlando neste domingo (12). Pouco se sabe sobre ele até o momento, porém muitas das características são relacionadas à uma personalidade abusiva e homofóbica. Além disso, autoridades afirmaram que ele teria afirmando “fidelidade ao grupo extremista Estado Islâmico”. As informações são do NY Daily News.

Mateen, de 29 anos, nasceu na cidade de Nova York e tinha pais de origem afegã. Na madrugada deste domingo, ele teria ligado ao 911, pouco antes de sair atirando na boate gay de Orlando, Flórida, e declarado sua devoção ao grupo terrorista.

Segundo autoridades, o ataque deste domingo pode ser considerado um “ato de terrorismo”, e um congressista teria afirmado que o FBI investigou o homem há cerca de três anos. “Ele foi objeto de uma investigação do FBI, algumas informações fizeram com que checassem seu perfil, porém não foram encontradas provas que pudesse elevar o nível para terrorista”, afirmou o republicano Pete King (NY), Presidente do Comitê de Segurança Interna, ao Daily News.

King não soube afirmar se o atirador deste domingo estava em uma lista de vigilância de terroristas ou se o FBI passou a informação sobre ele às autoridades na Flórida. Nenhuma ligação entre Mateen e o Estado Islâmico foi confirmada ainda.

Omar Mateen fez o ataque armando com um rifle, um revólver e um "dispositivo", disse um porta-voz. No momento em que os oficiais da SWAT atiraram e o mataram, ele já havia matado pelo menos 50 pessoas e ferido outras 53.

Mateen trabalhou como segurança e tinha licença para andar armado por seu trabalho. As licenças estavam valendo até 2017. Ainda não foi esclarecido como ele conseguiu as armas usadas no tiroteio.

Família se diz chocada e fala em homofobia 

O pai do atirador Mir Seddique, porém, insiste que o ataque de Mateen não teria motivações religiosas, mas, sim, por sua personalidade homofóbica. Segundo um relato do pai, ele teria ficado furioso após ver dois homens se beijando em Miami, meses atrás. “Ele viu esse casal se beijando na frente de sua mulher e seu filho e ficou com muita raiva”, afirmou.

Segundo Mir Seddique, a família do atirador está “tão chocada quando o resto do país”.

Suposta ex-mulher conta sobre violência 

Outras informações não oficiais também revelam uma personalidade abusiva de Mateen em relacionamentos. Ele teria abusado de sua esposa e, após três ou quatro meses de casamento, familiares tiraram a mulher “de perto dele”, de acordo com um depoimento do pai da ex-mulher de Mateen ao Daily News. Ele pediu para não ser identificado por segurança da família. “Nós tivemos de pedir para policiais pegarem seus pertences”, acrescentou o homem.

A ex-mulher teria afirmado que os dois se conheceram online há oito anos. E disse que ele teria batido nela enquanto viveram juntos na Flórida. “Ele me batia, ele me batia porque as roupas não tinham terminado de serem lavadas ou coisas do tipo”, afirmou a ex-mulher que também não quis ser identificada.

Eles teriam se divorciado em 2011.

Tiroteio em Orlando


    Leia tudo sobre: Gay