Tamanho do texto

Policiais reprimiram com violência protesto em Caracas; há registro de ao menos um homem ferido por balas de borracha

Parlamentares de oposição venezuelana denunciam ataques durante protesto contra Maduro
Carlos Garcia Rawlins/Reuters - 09.06.2016
Parlamentares de oposição venezuelana denunciam ataques durante protesto contra Maduro


Um enfretamento entre policiais e manifestantes que protestavam contra a crise de abastecimento de alimentos e remédios foi registrada em Caracas, capital da Venezuela, na noite de quarta-feira (8). Segundo a imprensa local, um homem ficou ferido após ser atingido por balas de borracha.

A confusão começou quando dezenas de pessoas que estavam na fila para comprar comida desde a noite anterior tiveram as portas das lojas fechadas na sua frente, por ordens do governo venezuelano. Diante da grave crise econômica e de abastecimento, o governo de Nicolás Maduro vem controlando o preço dos alimentos e os distribui por meio de comitês de bairros controlados pelo chavismo.

"Estamos aqui desde as 2h da madrugada, não é justo que agora nos digam que não estão vendendo nada", declarou uma mulher. Enquanto a tensão aumentava, os manifestantes bloquearam a rua e queimaram pneus. Policiais foram enviados ao local para dispersar os manifestantes, disparando balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo contra a multidão.

Energia e comida estão racionadas no país, provocando forte onda de manifestações populares
AFP
Energia e comida estão racionadas no país, provocando forte onda de manifestações populares


Diante da falta de alimentos, muito venezuelanos estão procurando restos no lixo para se alimentar. Julio Nogueira, que até recentemente trabalhava em uma padaria, agora passa os dias procurando por comida no lixo. "Faço isso para não morrer de fome", diz, enquanto vasculha por uma pilha de tomates mofados.

Estima-se que cerca de 76% da população da Venezuela esteja vivendo abaixo da linha da pobreza. Em 2014, essa cifra era de pouco mais de 50%. O governo de Maduro acusa a oposição de tentar "desestabilizar" a economia local. Enquanto isso, os opositores tentam promover um referendo revogatório do mandato do presidente, que sofre com empecilhos impostos pela Justiça, nas mãos do chavismo.