Tamanho do texto

Navio começou a naufragar a cerca de 120 quilômetros do porto de Kalo Limeni, na ilha de Creta, na tarde de quinta-feira

Refugiados são observados por integrantes de organização sem fins lucrativos, em maio
Médicos Sem Fronteiras/Divulgação
Refugiados são observados por integrantes de organização sem fins lucrativos, em maio

Uma embarcação com mais de 700 imigrantes naufragou na ilha de Creta, na Grécia, em mais um trágico acidente no Mar Mediterrâneo, nesta sexta-feira (3). O acidente se junta a outros ocorridos nas últimas semanas na região, onde, somente nos últimos 10 dias, mais de 880 morreram. 

De acordo com a imprensa grega, até o início da tarde, as equipes de resgate conseguiram tirar 300 pessoas com vida do mar. Três corpos também foram encontrados. 

O navio começou a afundar a 120 quilômetros ao sul do porto de Kalo Limeni, em Creta. "Foi um navio mercante italiano que avisou Creta [do acidente], às 17h15 locais. O mercante advertiu sobre a aproximação de um navio com numerosos imigrantes a bordo", disse uma nota da Guarda Costeira da Itália.

As autoridades também explicaram ter transmitido um alerta ao Egito, mas o país afirmou que o barco estava fora de "sua área de responsabilidade". "Então, foi solicitado que as autoridades gregas assumissem a coordenação das operações", afirmou a Guarda Costeira.

A Grécia, por sua vez, anunciou que sua Marinha está "empenhada nas operações de resgate" e que a embarcação com os imigrantes media 25 metros de comprimentos e naufragou pela metade. Foram enviados dois navios de patrulha, um avião e um helicóptero para auxiliar nas bucas por sobreviventes.

Acredita-se que a embarcação tinha como destino final a Itália ou a Grécia que, por estarem no Mar Mediterrâneo, são umas das principais portas de entrada para imigrantes na União Europeia (UE).

Veja fotos de resgate de refugiados no Mediterrâneo:

Nos últimos dias, foram constantes os acidentes envolvendo embarcações com imigrantes que tentam chegar ao continente europeu para fugirem de conflitos no norte da África e no Oriente Médio. Na cidade costeira de Zuwara, na Líbia, foram encontrados 117 corpos ao longo de 25 quilômetros de praia na quinta-feira.

De acordo com a ONG Migrant Report, cinco vítimas são crianças. A maioria dos mortos era originário da África subsaariana. As autoridades locais e as organizações civis dizem acreditar que os corpos são de um naufrágio ocorrido na semana passada nas águas da Líbia. "Mas não está claro onde eles se afogaram porque os cadáveres apresentam sinais de decomposição avançada", contou a Migrant Report.

A Agência das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) divulgou na quarta-feira (1º) que ao menos 880 mortos no Mar Mediterrâneo nos últimos 10 dias. Com os novos naufrágios, o balanço pode duplicar.