Tamanho do texto

Francesco Schettino foi condenado por 32 homicídios, além de lesões físicas e psicológicas aos passageiros do navio Costa Concordia, que naufragou na costa italiana em janeiro de 2012

Apelidado de
The Telegraph/Reprodução
Apelidado de "capitão covarde", Francesco Schettino não poderá trabalhar no mar por cinco anos


Comandante que ganhou o apelido de "capitão covarde" após ter abandonado seu navio durante um naufrágio que deixou dezenas de mortos na costa da Itália, Francesco Schettino foi condenado a 16 anos de prisão pela Corte de Apelo de Florença.

Schettino já havia sido condenado em primeira instância em fevereiro de 2015, pelo Tribunal de Grossetto, mas apelou da decisão. A confirmação da sentença foi anunciada na terça-feira (31) pelos juízes da Primeira Seção Penal da Corte de Florença, presididos pela magistrada Grazia D'Onofrio.

Aberto no último dia 28 de abril, o processo precisou de apenas dez audiências para ser concluído. Schettino foi condenado por homicídio culposo e lesões físicas e psicológicas causadas a dezenas de passageiros do cruzeiro e, além da prisão, está proibido de exercer qualquer trabalho marítimo por cinco anos.

O ex-comandante não compareceu à sessão de terça-feira – que durou mais de oito horas – e aguardou a decisão dos juízes em sua casa, em Nápoles. Desde a tragédia com o Costa Concordia, Schettino é hostilizado por ter abandonado o navio antes dos passageiros.

O Costa Concordia levou mais de dois anos para ser totalmente desmontado e retirado do local
Wikimedia Commons
O Costa Concordia levou mais de dois anos para ser totalmente desmontado e retirado do local

Relembre o caso
O Costa Concordia bateu contra rochas e naufragou na noite de 13 de janeiro de 2012, na ilha de Giglio, na Itália, provocando a morte de 32 pessoas, incluindo passageiros e membros da tripulação.

O acidente foi causado por uma manobra errada ordenada por Schettino, que levou o navio a se inclinar e encalhar na costa italiana. Foi necessária uma complexa operação de desmontagem que levou mais de dois anos para que o Costa Concordia pudesse ser retirado de Giglio. Atualmente, as autoridades estão na fase final de desmontagem do navio em um estaleiro.