Tamanho do texto

Organização alerta que há 55 mil vivendo sob fogo cruzado sem possibilidade de resgate na cidade iraquiana de Fallujah

Forças iraquianas apertaram o cerco em torno de rebeldes do grupo Estado Islâmico em Fallujah
AHMAD AL-RUBAYE / AFP
Forças iraquianas apertaram o cerco em torno de rebeldes do grupo Estado Islâmico em Fallujah

Sete milhões de pessoas vivem atualmente em regiões controladas pelo grupo extremista Estado Islâmico. Na cidade iraquiana de Fallujah “não há forma de se aproximar dos cerca de 55 mil civis”, alertou nesta terça-feira (24) a organização não governamental (ONG) norueguesa Norwegian Refugees Council (NRC).

Jan Egeland, ex-secretário-geral adjunto da Organização das Nações Unidas (ONU) e atual diretor da ONG, afirmou durante a Cúpula Humanitária Mundial, em Istambul, que a situação dos refugiados é dramática, mas que é “ainda mais preocupante” o destino daqueles a que as organizações de ajuda humanitária não têm acesso.

“Neste momento, há 55 mil civis no fogo cruzado, na cidade iraquiana de Fallujah, controlada pelo Estado Islâmico, que combate as forças iraquianas, e não há forma de chegar a elas”, disse Egeland, responsável por uma das maiores ONG mundiais dedicadas aos refugiados.

No total, acrescentou, há 7 milhões de pessoas vivendo em regiões controladas pelo grupo e é “muito, muito difícil” negociar com a milícia jihadista a abertura de vias humanitárias.

Várias organizações denunciaram, na cúpula de Istambul, as frequentes violações das leis humanitárias e da Convenção de Genebra, como os bombardeios a hospitais ou a ocupação de escolas.

“Não é preciso ser um cientista para apurar que aviões bombardearam um hospital”, disse Egeland. “Difundiu-se uma ideia de que o médico do meu inimigo é meu inimigo. Não! O médico do meu inimigo está fazendo o seu trabalho”, destacou.

O arsenal do terror: confira armamentos usados pelo grupo Estado Islâmico


    Leia tudo sobre: Estado Islâmico