Tamanho do texto

Aeronave da Egypt Airlines saiu de Paris e sumiu durante a madrugada, minutos antes de pousar no Cairo; especialistas lembram casos anteriores e levantam hipóteses para o mistério

O Airbus A320 desapareceu nesta quinta-feira (19), minutos antes do horário previsto para pouso
Wikimedia Commons
O Airbus A320 desapareceu nesta quinta-feira (19), minutos antes do horário previsto para pouso


Como pode uma aeronave simplesmente desaparecer do radar, como aconteceu com o avião da EgyptAir, que voava de Paris para o Cairo na madrugada desta quinta-feira (19)?

A aeronave, um Airbus A320, é regularmente usada para voos de curta duração e tem um "excelente histórico de segurança", explica o especialista em aviação Alex Macheras. Ian Petchenik, do site Flightradar24, detalha que aeronaves como essa são monitoradas por sinais de rádio que são enviados por meio de um transponder. "Há inúmeras maneiras de um avião simplesmente desaparecer do radar. Mas ainda não sabemos quase nada sobre este voo específico", afirma.

O Airbus A320 sumiu vinte minutos antes do horário previsto para o pouso. Segundo a companhia aérea, a aeronave voava a 11,3 mil metros de altitude sobre o mar Mediterrâneo, às 21h45 do horário de Brasília na quarta-feira (18), quando perdeu contato com o radar. A empresa informou que 56 passageiros, 7 tripulantes e 3 seguranças estavam no voo MS804. 

Segundo especialistas, aeronaves modernas como o Airbus estão equipadas com vários dispositivos eletrônicos que comunicam ao controle em terra sua localização. Mesmo com um defeito grave, haveria tempo para o piloto agir e informar o controle sobre eventuais problemas. E, quando os aviões enfrentam problemas sérios, isso deveria deixar pistas.

Se todos os motores falham ao mesmo tempo, por exemplo, o piloto ainda deveria ser capaz de planar por quilômetros, com tempo suficiente para enviar um pedido de ajuda por rádio – e, neste caso, seria possível ver a descida do avião pelo radar. Já em caso de sequestro, os pilotos podem enviar códigos emergenciais especiais, como, por exemplo, quando alguém tenta invadir a cabine de controle. Se tivesse ocorrido uma súbita despressurização na cabine por causa de uma janela quebrada, por exemplo, a tripulação poderia mergulhar o avião para reduzir a altitude, mas o avião não deveria se desintegrar.

Normalmente, o desaparecimento súbito de aviões do radar sugere uma súbita falha catastrófica em pleno ar, ou uma ação externa extrema, como um ataque ou uma explosão provocada por uma bomba.

Grécia, Egito e França estão envolvidas no mistério e mandam reforços para buscar destroços
BBC
Grécia, Egito e França estão envolvidas no mistério e mandam reforços para buscar destroços


Mistério

No caso do Airbus 320 da EgyptAir, controladores de tráfego gregos falaram com os pilotos quando o avião se encontrava sobre a ilha de Kea e nenhum problema foi relatado. Este teria sido o último contato feito pela aeronave, cerca de dez minutos antes do desaparecimento. Depois disso, as informações são controversas. Um comunicado da EgyptAir disse que o Exército egípcio recebeu uma chamada do avião comunicando problemas por volta das 04:26 do horário local – ou seja, duas horas depois de o voo desaparecer. O Exército, porém, negou a informação e disse que este sinal não foi recebido.

A situação, inicialmente, remete a dois outros acidentes: a queda do voo 447 da Air France e o desaparecimento do MH370 da Malaysian Airlines. O primeiro, que fazia a rota entre o Rio de Janeiro e Paris, desapareceu em junho de 2009 quando sobrevoava o Atlântico. Os investigadores levaram anos para encontrar todas as peças e descobrir exatamente o que aconteceu. Já o caso do MH370 é bem mais misterioso: as primeiras peças foram encontradas apenas no ano passado e o avião não foi localizado até hoje.

Mas há outros incidentes recentes na região que podem indicar possíveis explicações para o desaparecimento do avião. Em março, outro avião da EgyptAir foi sequestrado e desviado para o Chipre. O sequestrador acabou se rendendo e os reféns foram liberados. Em outubro, uma avião russo que ia do balneário de Sharm el-Sheikh caiu na península do Sinai matando 224 pessoas a bordo.

A Rússia e o Egito afirmam que a queda foi causada por um explosivo – militantes do grupo autodenominado Estado Islâmico dizem que explodiram a aeronave.

    Leia tudo sobre: Estado Islâmico