Tamanho do texto

Candidato de oposição ao atual governo, Rodrigo Duterte quer alterar a Constituição, dar mais poder às províncias e colocar rebeldes comunistas para trabalhar ao seu lado na presidência

Estadão Conteúdo

O advogado de 71 anos conquistou 88% dos votos e derrotou o candidato do atual presidente
Facebook/Reprodução
O advogado de 71 anos conquistou 88% dos votos e derrotou o candidato do atual presidente

O presidente eleito das Filipinas, Rodrigo Duterte, disse nesta segunda-feira (16) que fará de tudo para alterar a Constituição e dar mais poder às províncias, além de reintroduzir a pena de morte no país. Em um de seus primeiros discursos depois da vitória nas eleições que aconteceram na última segunda-feira (9), Duterte declarou, ainda, que oferecerá postos do gabinete para os rebeldes comunistas e dará às forças de segurança ordens para "atirar e matar" em determinados casos.

"O que farei é instar o Congresso a restaurar a pena de morte por enforcamento", disse Duterte em coletiva de imprensa na cidade de Davao, no sul das Filipinas.

Na entrevista, o presidente eleito disse, também, que vai lançar uma grande ofensiva militar para destruir o grupo de extremistas Abu Sayyaf, no sul da ilha de Jolo. Por fim, Duterte disse que vai vender o iate presidencial e usar o dinheiro para comprar equipamentos médicos para militares e policiais. 

O advogado Rodrigo “Rody” Duterte, de 71 anos, foi prefeito da cidade de Davao durante 22 anos, em sete diferente mandatos. Rody foi eleito nas Filipinas com 88% dos votos, derrotando o candidato Mar Roxas, indicado pelo atual governo.