Tamanho do texto

Fezes humanas estão se tornando um problema no topo do Monte Taranaki, um vulcão inativo no norte do país

Fezes humanas se tornaram problema no topo do Monte Taranaki, um dos mais conhecidos do país
Creative Commons
Fezes humanas se tornaram problema no topo do Monte Taranaki, um dos mais conhecidos do país

Alpinistas que tentam escalar um dos mais conhecidos picos da Nova Zelândia estão sendo encorajados por autoridades a usar penicos em vez de fazer suas necessidades ao ar livre. 

Segundo o site de notícias local 3News, fezes humanas estão se tornando um problema no topo do Monte Taranaki, um vulcão inativo no norte do país. 

Autoridades dizem ser inviável construir um banheiro no local e, por isso, estão pedindo aos alpinistas que, assim como donos de cachorro, recolham e levem consigo suas necessidades, descartando-as adequadamente. 

A situação é tão grave que tanto o Departamento de Preservação quanto grupos maoris (povo nativo da Nova Zelândia) locais, conhecidos como iwi, defendem que a orientação se torne obrigatória. 

A associação dos alpinistas do país já disponibiliza penicos de plástico em seu site por cerca de seis dólares neozelandeses (R$ 16). 

O problema não afeta somente a Nova Zelândia ─ o governo do Nepal também discute planos para solucionar o descarte de dejetos humanos no Monte Everest. 

O Monte Taranaki, também conhecido como Monte Egmont, é considerado sagrado pelos grupos maoris. 

Em 2011, um churrasco realizado no topo da montanha gerou grande polêmica, informa o site de notícias neozelandês Stuff.nz. 

Segundo o policial ambiental Dave Rogers, os maoris costumam personificar marcos, atribuindo-lhes forma humana. 

"O cume é considerado sagrado para os maoris. Estar ali significa estar na cabeça de seus ancestrais", explica.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.