Tamanho do texto

Operação contra pedofilia prendeu 11, entre eles um homem com HIV preso recentemente por fazer sexo sem camisinha

Religioso foi identificado como dom Diego Rota: ele prestava serviços em Solza, Bergamo
Paulo Pinto/ Fotos Públicas
Religioso foi identificado como dom Diego Rota: ele prestava serviços em Solza, Bergamo


Ao menos 11 pessoas, entre elas um padre, um treinador de futebol e um guarda municipal, foram detidas acusadas de pagar para manter relações sexuais com menores de idade, nas regiões da Lombardia e Emilia. A operação foi realizada nas cidades de Brescia, Bergamo, Milão, Monza, Brianza e Parma.

O contato com os jovens ocorria por meio da internet: eles se apresentavam como adultos nas redes sociais e, posteriormente, se encontravam com os interessados para relações sexuais em áreas isoladas, sempre em troca de presentes ou pequenas quantias de dinheiro. Além das 11 pessoas detidas de forma preventiva, outras dez estão sendo investigadas. 

A investigação, que teve início em agosto do ano passado, permitiu a identificação de quatro menores de idade que haviam feito sexo em troca de dinheiro. A polícia afirma que foram registrados numerosos episódios de relações mantidas em carros estacionados em garagens de shoppings, locais de entretenimento e até mesmo nas casas de alguns dos suspeitos.

"As graves acusações causam na nossa comunidade diocesana espanto e tristeza profunda", informou em comunicado a Cúria de Bergamo. O religioso envolvido no caso foi identificado como Dom Diego Rota, prestador de serviços em Solza, na Província de Bergamo.

"Queremos manifestar nossa solidariedade com aqueles que estão sofrendo. Estamos cientes de que tais situações criam perturbação em muitos e queremos, de todo o coração, que a verdade e a justiça sejam estabelecidas."

Outro dos envolvidos é Claudio Tonoli, homem de 56 anos que esteve detido na semana passada por ter mantido relações sexuais sem usar preservativo mesmo sendo portador do vírus HIV, em cuja residência foram encontrados diversos endereços que serão investigados. Ele foi processado dois anos atrás por ter mostrado imagens pornográficas a um jovem de 13 anos.