Tamanho do texto

Ministério das Relações Exteriores destaca que Brasil deplora a decisão do governo norte-coreano de lançar satélite com uma tecnologia de mísseis, em violação às resoluções da ONU

Palácio Itamaraty divulgou comunicado oficial de repreensão a atitude da Coreia do Norte
BBC
Palácio Itamaraty divulgou comunicado oficial de repreensão a atitude da Coreia do Norte

O Itamaraty apoiou neste domingo (7) a condenação emitida pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas ao anúncio de lançamento de satélite de longo alcance pela Coreia do Norte. A ação, repudiada pela comunidade internacional, é vista como um teste secreto de mísseis.

A declaração unânime do Conselho de Segurança, que em breve anunciará novas sanções ao país, foi feita após reunião de emergência convocada a pedido dos Estados Unidos e do Japão. A China, principal aliado de Pyongyang, e outros 14 países que compõem o colegiado apoiaram a manifestação do órgão executivo da ONU.

Em nota, o Ministério das Relações Exteriores destaca que o Brasil “deplora” a decisão do governo norte-coreano de lançar um satélite com emprego de tecnologia de mísseis balísticos, em violação às resoluções do Conselho de Segurança.

“O governo brasileiro conclama a República Popular Democrática da Coreia a abster-se de atos que prejudiquem a via do diálogo e da negociação diplomática. Também insta Pyongyang a retomar as Conversações Hexapartites, reintegrar-se o mais cedo possível ao Tratado de Não Proliferação Nuclear como Estado não nuclearmente armado e a assinar e ratificar o Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares”, destacou a nota divulgada.

Em resposta às críticas internacionais, o governo norte-coreano assegurou que o lançamento de um satélite de observação terrestre faz parte de um programa espacial exclusivamente científico. O anúncio do lançamento espacial feito pela Coreia do Norte ocorre menos de um mês após as autoridades norte-coreanas terem informado que testaram uma miniatura de bomba nuclear de hidrogênio, cujos efeitos são muito mais potentes que os de uma bomba de urânio.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.