Tamanho do texto

Belga Abdelhamid Abaaoud morreu durante ação policial em subúrbio de Paris, de acordo com a Procuradoria da capital

Abdelhamid Abaaoud, terrorista do Estado Islâmico, foi o mentor dos ataques em Paris
Reprodução
Abdelhamid Abaaoud, terrorista do Estado Islâmico, foi o mentor dos ataques em Paris

O principal autor dos atentados terroristas em Paris, o belga Abdelhamid Abaaoud, foi morto nessa quarta-feira (18) durante uma ação policial em Saint-Denis, na região metropolitana de Paris, de acordo com a Procuradoria da capital.

O homem de 28 anos é acusado de orquestrar os ataques com armas e bombas da última sexta-feira (13), que deixaram 129 pessoas mortas na França.

O comunicado emitido pela Procuradoria de Paris afirma que “Abdel Hamid Abaaoud acaba de ser formalmente identificado, após comparação de digitais, como um dos mortos na ação policial. Foi o corpo que descobrimos no prédio, alvejado por balas”. O órgão informa não ser possível saber, ainda, se ele foi morto ou se detonou no momento da ação.

Na ação policial dessa quarta-feira (18), além de Abaaoud morreu também uma mulher que portava um cinto com explosivos e se explodiu no momento em que seria capturada. Há suspeita de que ela seria prima do terrorista.

Rumo das investigações

Inicialmente, se especulava que Abaaoud estaria na Síria no momento do massacre de sexta-feira, mas as investigações mostraram que o homem planejou os atentados em um apartamento em Saint-Denis, município ao norte de Paris onde está localizado o Stade de France, um dos alvos dos ataques terroristas, ao lado do qual três terroristas suicidas se explodiram antes do massacre ocorrido na cidade. 

A ação da quarta-feira ocorreu após a polícia ter recebido uma denúncia de que haveria, ainda nesta quarta-feira, um novo ataque terrorista na cidade, desta vez em La Défense, área bastante movimentada na parte central de Paris.

Quem era Abdelhamid Abaaoud 

Abdelhamid Abaaoud era filho de imigrantes muçulmanos de Molenbeek. Seu pai, Omar, um marroquino instalado em Bruxelas há 40 anos, se orgulha de ter chegado ao país como mineiro e conseguido comprar uma loja de roupas, onde Abaaoud trabalhava a seu lado.

Abaaoud adotou o nome religioso de Abou Omar Soussi e se juntou aos combatentes radicais na Síria no começo de 2013. Seu nome ficou conhecido na Bélgica um ano mais tarde, quando o pai revelou à imprensa que Abaaoud teria doutrinado e levado à Síria o irmão de 13 anos, Younes.

Abaaoud sorri em vídeo no qual leva corpos de vítimas do terrorismo a uma vala comum
Reprodução
Abaaoud sorri em vídeo no qual leva corpos de vítimas do terrorismo a uma vala comum

Pouco depois, o jihadista foi identificado em uma série de vídeos macabros publicados em redes sociais, nos quais aparece sorridente ao volante de uma caminhonete que reboca cadáveres mutilados de civis assassinados pelo grupo autodenominado Estado Islâmico (EI).

O nome dele voltaria a aparecer nos noticiários em janeiro deste ano, citado como cérebro de uma célula terrorista desmembrada na cidade belga de Verviers que estava ponta para cometer um atentado de grandes proporções contra as forças de segurança do país. O episódio ocorreu uma semana depois dos atentados contra o jornal satíricoCharlie Hebdo e um supermercado judeu em Paris.