Tamanho do texto

Informação reforça tese de que uma bomba foi responsável pela tragédia que matou 224 pessoas no último sábado (31)

Destroços do avião que caiu na Península do Sinai: Estado Islâmico reivindica responsabilidade
STR/Agência Lusa
Destroços do avião que caiu na Península do Sinai: Estado Islâmico reivindica responsabilidade

Os dados de uma das caixas-pretas do Airbus A321 da companhia aérea russa Metrojet revelaram um forte barulho um segundo antes da queda do avião no Egito, no último sábado (31). Todas as 224 pessoas a bordo morreram na tragédia.

A confirmação reforça a tese de que uma bomba tenha sido a responsável por derrubar o avião, possibilidade já admitida por investigadores norte-americanos e, inclusive, pelo presidente dos EUA, Barack Obama, e pelo primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron. 

"Escuta-se um ruído no último segundo de gravação de vozes na cabine", disse uma fonte ligada às investigações no Egito, neste sábado (7). É investigada a possibilidade de o explosivo ter sido colocado por um funcionário do Aeroporto Sharm el-Sheikh, que recebe voos repletos de turistas para conhecer os resorts e paisagens da Península do Sinai, de onde a aeronave decolou.

O presidente dos EUA, Barack Obama, que admitiu a possibilidade de bomba ter derrubado avião
Bob Nichols/U.S. Department of Agriculture - 06.10.2015
O presidente dos EUA, Barack Obama, que admitiu a possibilidade de bomba ter derrubado avião

Os prognósticos de terrorismo, em ataque já reivindicado duas vezes pelo grupo jihadista Estado Islâmico, também levou autoridades de países como o Reino Unido e a própria Rússia a suspender todos os voos para o Egito. Um dia antes da decisão, o governo Vladimir Putin havia pedido "cautela" na divulgação de "rumores" sobre o acidente.

Violento e rápido
Além do estrondo, a caixa-preta confirmou que aquilo que levou o avião à queda teve como característica ter sido algo "violento e rápido". Segundo fontes ouvidas pela agência de notícias France Presse, a revelação, aliada aos dados recolhidos no local da tragédia e à experiência dos investigadores, "privilegiam fortemente" a hipótese de um atentado ter sido o responsável pelas 224 mortes. 

Militantes do grupo terrorista Estado Islâmico, que afirma ter sido responsável pela queda
Estado Islâmico - 11.10.15
Militantes do grupo terrorista Estado Islâmico, que afirma ter sido responsável pela queda

Segundo os dados fornecidos pela caixa, "tudo estava normal, absolutamente normal durante o voo e, de repente [no 24º minuto do traslado], não há mais nada”, indicou a mesma fonte. “Isto dá a sensação de rapidez, do caráter imediato” dos acontecimentos, disse ela, no momento em que as duas caixas pretas do aparelho, uma que contém os parâmetros do voo e outra que registra as conversas da tripulação, foram analisadas.

A partir daquele minuto, acrescentou a fonte, as duas caixas-pretas do aparelho deixaram de funcionar abruptamente, evidenciando uma provável "descompressão explosiva muito repentina”. 

De acordo com a rede de notícias norte-americana CNN, a aeronave estava em piloto-automático no momento da queda. 

O presidente da comissão de inquérito local, Ayman al-Muqaddam, afirmou que "o comitê está considerando todos os cenários possível, mas ainda não chegou a uma conclusão final" a respeito do que causou a tragédia.

* Com Ansa e Agência Lusa

    Leia tudo sobre: estado islâmico