Tamanho do texto

Milionário convenceu jovem a atacar seu antigo parceiro para "purificá-la", pois ela havia feito sexo com outros homens

O Dia

Um homem de 30 anos que insiste em ser chamado de "O Rei" convenceu uma estudante de economia, de 23 anos, a jogar ácido em um de seus antigos namorados. A razão disso seria uma forma de "purificá-la". O caso aconteceu na Itália.

Quando Marina contou para "O Rei" que já havia feito sexo com outros homens, ele disse: "um homem pode trair, mulheres não. Mulheres têm que permanecer puras".

Homem convence jovem 'submissa' a jogar ácido em ex e os dois são presos
Reprodução/Internet
Homem convence jovem 'submissa' a jogar ácido em ex e os dois são presos

O milionário Alexander Boettcher fez isso em uma espécie de jogo de sedução à la "Christian Grey", personagem do livro e filme "Cinquenta Tons de Cinza". A jovem Marina Levato se submeteu à condição de ser a escrava sexual do rapaz por um ano, em Milão, na Itália, e obedecia a todas as ordens de Boettcher.

Uma das vítimas, Pietro Barbini, de 22 anos, foi atacado com ácido e atingido com um martelo pela dupla. Ele precisou fazer uma cirurgia de reconstrução da face após o ataque. "Talvez nunca mais tenha coragem de voltar ao mundo", declarou o jovem.

O ex-namorado havia tentado alertar Marina do perigo que corria ao lado de seu "mestre". "Eu sei que existe algo entre vocês dois. Se você quiser, podemos os dois transar com ela. De qualquer forma, ela obedece todos os meus desejos. Todos", dizia uma das mensagens enviadas por Boettcher para Barbini.

O ex copiou as mensagens e mostrou para a jovem: "Olhe com quem você está". "Antes com ele do que com você. Morra", teria respondido a moça.

O juiz que cuidou do caso classificou o casal como mais perigosos que mafiosos ou terroristas. Segundo a polícia, a jovem continua devota ao "Rei" e afirma que ele não teve nada a ver com o ataque ao ex.

Boettcher é casado com uma modelo croata, mas continuou com várias mulheres. Ele morava em um palácio de sua mãe. No local, a polícia encontrou equipamentos de tortura em uma masmorra em sua casa, incluindo facas de combate e diversos tipos de ácido. Ao ser questionado sobre o motivo de tantas facas, ele respondeu: "Algumas garotas me pedem para talhar minhas iniciais nos seus corpos. É crime?"

"Ele fez uma lavagem cerebral nela", contou o pai da garota. "Ela passou de uma menina tranquila para alguém que vivia com ciúmes e tomando pílulas para emagrecer para ele", afirmou.

Segundo o tabloide "Daily Mail", os dois foram condenados a 14 anos de prisão na última semana.

Fonte: O Dia