Tamanho do texto

Segundo a ministra do Turismo, Selma Elloumi Rekik, "atirador não chegou sozinho e veio à cidade em um carro pequeno"

As autoridades tunisianas anunciaram nesta segunda-feira (29) que estão procurando por cúmplices de Seifeddine Rezgui, 23 anos, que matou 38 pessoas em um ataque contra um hotel de luxo de Sousse.

Dia 28:  Tunísia vai destacar mil policiais para zonas turísticas

Segundo a ministra do Turismo, Selma Elloumi Rekik, "o atirador não chegou sozinho, nem veio do mar, mas sim com um carro pequeno". Em entrevista à rádio "Montecarlo", Rekik destacou que está sendo estudada qual foi a dinâmica do ataque e que o país está recebendo a ajuda de 16 agentes da Scotland Yard.

Para as autoridades, essa possibilidade está clara porque o homem se disfarçou de banhista antes de tirar o fuzil de dentro do guarda-sol e efetuar os disparos na areia.
O ministro do Interior, Mohamed Ali Arou, informou que os policiais já ouviram o pai e três colegas de quarto da Universidade de Kaurouane, onde o jovem estudava. Hakim Rezgui, pai do atirador, contou que ficou chocado com a ação do filho e que não faz ideia "de quem possa ter colocado essas ideias na cabeça dele". Além disso, os agentes conseguiram recuperar o celular de Rezgui.

Leia mais:  Vídeo no Facebook mostra atirador da Tunísia dançando hip hop

Três dias após o atentado, começam a surgir na internet as primeiras informações de perfil do tunisiano. Apaixonado por break dance e pelo Real Madrid, Rezgui publicou vídeos caseiros dançando em seu ritmo favorito. Porém, de acordo com a mídia britânica, é possível ver em sua página do Facebook diversas "curtidas" em vídeos de propaganda do grupo terrorista Estado Islâmico (EI, ex-Isis).

Acredita-se que o extremista tenha se radicalizado após ir morar na Universidade, na cidade de Kairoan.

Apesar do Riu Imperial negar que o homem tenha trabalhado em suas dependências, os investigadores analisam se ele não teria feito apresentações no local. - Cameron se manifesta: O primeiro-ministro britânico, David Cameron, se manifestou nesta segunda-feira sobre o atentado no hotel tunisiano.

O premier disse que a Grã-Bretanha está "unida no choque e na dor" com o povo local. De acordo com a mídia inglesa, 30 dos 38 mortos eram cidadãos do país em férias na Tunísia.

Visitas oficiais

O ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, sua homóloga inglesa, Theresa May, e o alemão Thomas de Maizière irão visitar a Tunísia de maneira oficial - já que todos os países tiveram cidadão seus entre as vítimas.
Todos visitarão o local da tragédia para prestar homenagens e depois farão uma reunião de trabalho com as autoridades locais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.