Tamanho do texto

Estudante tunísio ligado ao Estado Islâmico foi o autor do ataque; turistas voltam em massa aos seus países

Dez dos 38 mortos no atentado de sexta-feira (26) na Tunísia foram identificados. “São oito britânicos, um belga e um alemão", disse Naoufel Somrani, o diretor dos serviços de urgência do Ministério da Saúde da Tunísia.

Atentado em hotéis de cidade turística na Tunísia mata ao menos 27 pessoas
AP
Atentado em hotéis de cidade turística na Tunísia mata ao menos 27 pessoas

Centenas de turistas estrangeiros foram retirados hoje (27) da Tunísia, um dia depois do atentado reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI) contra um hotel. Depois do ataque, feito por um estudante tunísio, o primeiro-ministro Habib Essid assegurou que perto de 80 mesquitas acusadas de "incitamento à violência" serão fechadas. Ele anunciou ainda que vai recorrer às reservas militares para reforçar a segurança em locais sensíveis.

Leia também:  Estado Islâmico reivindica autoria de atentado terrorista na Tunísia

O autor do atentado era um estudante que se fez passar por turista. Ele escondia uma arma em um guarda-sol e abriu fogo na praia e à beira das piscinas do hotel Riu Imperial Marhaba, em Kantaoui, perto de Sousse, 140 quilômetros ao sul da capital, Túnis.

O atentado ocorreu no mesmo dia em que o EI reivindicou o atentado contra uma mesquita xiita no Kuwait, que provocou 26 mortos, e em que um homem foi decapitado em Lyon, na França, a três dias do primeiro aniversário da instituição do califado proclamado pelo grupo jihadista sobre os territórios conquistados na Síria e no Iraque.

Neste sábado estão marcados 13 voos de Túnis para Londres, Manchester, Amsterdã, Bruxelas e São Petersburgo. "Temos medo, não nos sentimos seguros", disse um turista do País de Gales. "A nossa agência aconselhou-nos a voltar de imediato ao nosso país, a Bélgica. Tornou-se uma obrigação deixar a Tunísia de imediato", disse uma jovem turista belga.

Leia mais:  EUA elevam alerta contra terrorismo às vésperas de feriado nacional

O atentado ocorreu três meses depois do ataque ao Museu do Bardo, na Tunísia, que fez 22 mortos, também reivindicado pelo Estado Islâmico. O grupo reivindicou nos últimos meses atentados na Líbia, Yemen, Egito e Arábia Saudita.

    Leia tudo sobre: estado islâmico
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.